Geral

Alemã dada como desaparecida em naufrágio está na Alemanha

Uma alemã, que constava da lista de desaparecidos do naufrágio do cruzeiro Costa Concordia, está viva e já encontra em sua residência na Alemanha. O anúncio foi feito hoje (18) pelo perfeito do município italiano de Grosseto, Giuseppe Linardi. “A senhora Gertrud Goergens, que foi dada como desaparecida, está viva e está na Alemanha”, disse. […]

Arquivo Publicado em 19/01/2012, às 01h09

None

Uma alemã, que constava da lista de desaparecidos do naufrágio do cruzeiro Costa Concordia, está viva e já encontra em sua residência na Alemanha. O anúncio foi feito hoje (18) pelo perfeito do município italiano de Grosseto, Giuseppe Linardi. “A senhora Gertrud Goergens, que foi dada como desaparecida, está viva e está na Alemanha”, disse.


As autoridades italianas identificaram hoje uma das cinco pessoas mortas retiradas dos destroços do navio ontem (17). O corpo é do tripulante húngaro Sandor Feher, de 38 anos. Ele era violinista e trabalhava na área de entretenimento do cruzeiro. Ele foi encontrado na parte submersa da popa do navio.


A Justiça italiana decidiu ontem que Francesco Schettino, comandante do cruzeiro Costa Concordia, que naufragou na costa da ilha italiana de Giglio, na Toscana, ficará em prisão domiciliar. O acidente causou a morte de 11 pessoas e 23 ainda estão desaparecidas.


A decisão foi da juíza Valeria Montesarchio, do Tribunal de Grosseto. O procurador de Grosseto, Francesco Verusio, ordenou a prisão do comandante no sábado (14), temendo que ele fugisse ou dissimulasse provas. Schettino é acusado de homicídio culposo, naufrágio e abandono de navio.


Fontes policiais indicaram que Francesco Schettini será submetido a análises para verificar se ele consumiu drogas na noite do naufrágio. A empresa Costa Cruzeiros, proprietária do navio, acusou Schettino de fazer uma rota não autorizada, levando a embarcação a ficar mais próximo da costa do que deveria. Os passageiros que estavam no navio deram entrada em um processo judicial contra a empresa proprietária do Costa Concordia, que levava mais de 4,2 mil passageiros quando naufragou.



Com informações da Agência Lusa.

Jornal Midiamax