Geral

Acusação faz apelo emocional para condenação de réus em caso Mayana

Após duas horas e meia de considerações, a promotoria no caso de julgamento dos acusados da morte de Mayana de Almeida Duarte, pediu a condenação de Anderson de Souza Moreno, por homicídio doloso e a de Willian Jhony de Souza Ferreira por participação no “racha”, já que ele confessou pela primeira vez participar do “pega” de […]

Arquivo Publicado em 29/02/2012, às 17h35

None
1458679313.jpg

Após duas horas e meia de considerações, a promotoria no caso de julgamento dos acusados da morte de Mayana de Almeida Duarte, pediu a condenação de Anderson de Souza Moreno, por homicídio doloso e a de Willian Jhony de Souza Ferreira por participação no “racha”, já que ele confessou pela primeira vez participar do “pega” de carros.


”Se o que aconteceu não for um caso de homicídio qualificado, nós não temos mais condições de ter um Tribunal do Júri”, disse ao final o promotor de acusação, Douglas Oldergado dos Santos.


Como agravante, o promotor destacou os sentimentos de perda da jovem por parte da família e o desrespeito de Anderson e William no trânsito, pontuando a velocidade do motorista (110 km/h), além da embriaguez de ambos e o desrespeito às leis de trânsito, ao contrário do comportamento de Mayana de Almeida Duarte.


Caso


Mayana de Almeida Duarte foi vítima de um acidente ocasionado por dois jovens que estariam disputando “racha” na Avenida Afonso Pena.


Anderson de Souza Moreno, vulgo “Fuscão”, e Willian Jhonny de Souza Ferreira, segundo se apurou preliminarmente, dirigiam em alta velocidade 14 de junho de 2010, em circunstâncias que evidenciavam a “disputa de racha”. Ao chegarem à confluência da Rua José Antônio, bateram no carro de Mayana, que faleceu devido ao acidente no dia 25 de junho.

Jornal Midiamax