Geral

A cinco meses das eleições, indefinições marcam disputa nas cinco maiores cidades de MS

Apesar da proximidade das eleições de sete de outubro, indefinições marcam a disputa eleitoral nos cinco principais colégios eleitorais de Mato Grosso do Sul. Em Campo Grande, partidos ainda analisam se confirmam ou não pré-candidatura e até agora nenhum vice foi confirmado. Em Dourados, o PMDB não bateu o martelo sobre a corrida eleitoral e […]

Arquivo Publicado em 23/04/2012, às 18h21

None

Apesar da proximidade das eleições de sete de outubro, indefinições marcam a disputa eleitoral nos cinco principais colégios eleitorais de Mato Grosso do Sul. Em Campo Grande, partidos ainda analisam se confirmam ou não pré-candidatura e até agora nenhum vice foi confirmado. Em Dourados, o PMDB não bateu o martelo sobre a corrida eleitoral e a incerteza acirra a disputa pela vaga de vice do prefeito Murilo Zauth (PSB).


Até agora, na Capital, lançaram a pré-candidatura a prefeito os deputados federais Vander Loubet (PT), Edson Giroto (PMDB) e Reinaldo Azambuja (PMDB). O deputado estadual Alcides Bernal (PP) e o vereador Athayde Nery (PPS) também apresentaram seus nomes, mas dependem de estrutura financeira para viabilizar o projeto. A possibilidade de não entrar no embate, com frequência, gera boatos de desistência e incentiva assédio, principalmente, por parte dos governistas.


A indefinição é pior ainda quando o assunto é a escolha do vice. Até agora, nenhum partido confirmou os respectivos companheiros de chapa e, por ser governista, a maior “falação” gira em torno do parceiro de chapa de Giroto. O PDT, por exemplo, exige em troca da aliança a vaga.


Dourados


No segundo maior colégio eleitoral do Estado, o PMDB local repete constantemente o projeto de candidatura própria, mas “empurra com a barriga” o anúncio do nome do pré-candidato, adiado na semana passada pela terceira vez.


A indefinição só beneficia o prefeito Murilo Zauith que usa a vaga de vice para manter firme seu arco de aliança formado por 15 partidos. O problema é que todos os aliados estão de olho na vaga. O PT, atual detentor do cargo, indica não abrir mão do cargo e o PDT só fechará aliança em troca do espaço na chapa majoritária.


Corumbá


No município, só o PT anunciou a pré-candidatura do deputado estadual Paulo Duarte, que promete só nos “45 minutos do segundo tempo” anunciar o nome do parceiro de chapa. Estão de olho na vaga, o PSD e o PDT.


Favorito na disputa, Duarte assiste os adversários “quebrarem a cabeça” para escolher o candidato para enfrentá-lo. Inicialmente com o apoio de toda Câmara e até do senador Delcídio do Amaral (PT) e do governador André Puccinelli (PMDB), o presidente do Legislativo municipal, vereador Evander Vendramini (PP), cada dia que passa vê um aliado o abandonar.


Agora, surgiu o nome de Solange Vieira (PMDB) para dividir a missão de representar a oposição na disputa eleitoral.


Três Lagoas


Em Três Lagoas, o PMDB e PSD devem polarizar a disputa pela prefeitura. A prefeita Márcia Moura (PMDB) corre atrás da reeleição e tem pela frente a missão de derrotar o popular vereador Ângelo Guerreiro (PSD). Nenhum dos dois escolheu seu vice e ambos usam a vaga para negociar aliança.


Ponta Porã


O cenário eleitoral em Ponta Porã, quinto maior colégio eleitoral do Estado, começou a se clarear apenas na semana passada. Primeiro, veio o anúncio do PMDB de apoiar a pré-candidatura de Álvaro Soares (PR).


No fim de semana, no entanto, o ex-deputado federal constituinte Gandi Jamil (PMDB) anunciou sua pré-candidatura a prefeito, devolvendo a instabilidade ao cenário eleitoral.


Do outro lado, o prefeito Flávio Kayatt (PSDB) trabalha para viabilizar a pré-candidatura a prefeito do ex-secretário municipal de Obras e Infraestrutura, Helio Peluffo Filho (PSDB).

Jornal Midiamax