Geral

Tucanos trarão Aécio Neves para abrir seminário “Pensando Campo Grande”

Em entrevista, o deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB) falou de sua participação na Comissão especial de segurança publica na Camara, seu empenho na instalação da CPI da corrupção, a convocação de ministros, o PSDB no Estado e sua pré-candidatura a prefeito da capital.

Arquivo Publicado em 18/10/2011, às 00h35

None

Em entrevista, o deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB) falou de sua participação na Comissão especial de segurança publica na Camara, seu empenho na instalação da CPI da corrupção, a convocação de ministros, o PSDB no Estado e sua pré-candidatura a prefeito da capital.

Em entrevista na manhã desta segunda-feira (17) ao programa Tribuna Livre, da Radio Capital FM, de Campo Grande, o deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB) falou aos comunicadores Sérgio Cruz e Marcos Faria sobre sua participação na Comissão especial de segurança publica na Camara, seu empenho na instalação da CPI da corrupção,  a convocação de ministros, o PSDB no Estado e sua pré-candidatura a prefeito da capital.


“Se a presidente quer uma faxina completa, deveria apoiar a instalação da CPI da Corrupção, pois só ela nos dá todas as ferramentas necessárias para se desenvolver uma verdadeira varredura, esclarecendo de uma vez por todas as denuncias que ficaram pendentes e as que ainda surgem em torno de seu governo a cada dia”.  Comentou Reinaldo Azambuja, destacando o requerimento que assina com o líder do PSDB, Duarte Nogueira, pedindo esclarecimentos a mais dois Ministros sobre desvios nas pastas da Pesca e do Trabalho, essa semana na Câmara.


“O Governo não quer a CPI, mas a população está cansada de tanta corrupção e a cada novo escândalo crescem as pressões em cima dos parlamentares para que assinem a favor o que nos deixa esperançosos quanto à instalação dela em breve”.   Comentou referindo-se a denuncias envolvendo desta vez o Ministro dos Esportes, com reportagens da revista Veja e do jornal eletrônico da rede globo, o Fantástico.


Sobre os projetos de sua autoria apresentados na Câmara, o parlamentar destacou o mais recente que versa sobre o aproveitamento dos médicos formados por universidades publicas, no interior. “Você não atrai um recém-formado para o interior do Estado, devido a falta de estrutura e equipamentos mas, podemos através de um projeto exigir que os profissionais formados pela rede publica prestem no mínimo um ano de serviços nessas cidades. Seria uma forma deles contribuírem com quem contribuiu com a formação deles até ali e atender uma das maiores demandas deste setor”.


Quando o tema da entrevista passou a ser a sucessão municipal o reporter lembrou a histórica aliança PSDB/PMDB que ora se rompe com o lançamento da pré-candidatura de Reinaldo Azambuja a Prefeito de Campo Grande. Na oportunidade foi lembrado o motivo que levou o PSDB a não aceitar participar da escolha do candidato através de uma pesquisa, como sugeriu o Governador André aos partidos aliados. “Isso é jogo de cartas marcadas”. Emendou Azambuja.


“O partido entendeu que este é o momento de ter uma candidatura própria oferecendo a sociedade uma opção e assim o faremos”. Reforçou Reinaldo colocando de lado qualquer possibilidade de desistência do projeto, considerando o apoio unanime do diretório em torno de seu nome e a necessidade de que seja oferecida a população da capital um projeto diferente.


De olho na formatação do projeto Azambuja adiantou que entrará em ação no mês de novembro, com a vinda do Senador Aécio Neves, uma série de seminários que discutirão as demandas da cidade, e que segundo ele, deixará a população falar, reclamar e opinar.


O seminário ‘Pensando Campo Grande’ terá sua abertura marcada pela palestra do Senador Aécio Neves que vai falar sobre gestão pública. “Aécio fez historia no Governo de Minas diminuindo os gastos com a maquina publica e ampliando e melhorando a qualidade do atendimento a população. É dessa forma que precisamos olhar para nossa capital. Será que estamos investindo no que realmente é prioridade hoje?” questionou.


Sobre sua condição de oposicionista e pré-candidato Reinaldo falou com tranqüilidade lembrando que nenhum governo terá motivos para retalhar um bom gerenciador. “Se apresentarmos um bom projeto e a população entender que nossa experiência pode ajudar a mudar nossa capital tenho certeza que os recursos virão e somados aos mais de dois bilhões arrecadados pelo município hoje faremos um trabalho de resultados”. Completou.


A possibilidade de aliança com partidos como DEM e PPS foi citada com possibilidades reais, considerando, segundo Azambuja, o ótimo relacionamento que os partidos e seus principais lideres mantém nas varias instancias.


Incitado sobre como deve reagir frente às articulações dos partidos que estarão em trincheiras diferentes nas eleições do próximo ano Azambuja reforçou a candidatura própria, excluindo definitivamente qualquer possibilidade de aliança que não traga o PSDB na cabeça da chapa.


Sobre as principais demandas da população Azambuja foi pontual destacando na área da saude a necessidade de treinamento e preparação dos profissionais, bem como a instalação de equipamentos em detrimento a construção de mais postos de atendimento, como vem ocorrendo. “Não adianta só construir mais postos, tem que equipar, treinar pessoas e humanizar o atendimento.”


Sobre o trânsito, problema citado pela população como uma das maiores demandas da capital, Azambuja foi categórico: “Numa cidade que cresce como a nossa é inconcebível que falemos em rotatórias para desafogar o transito. É preciso pensar em viadutos e tuneis urgentemente”.


Com relação ao transporte coletivo Azambuja não economizou criticas e falou da má qualidade dos serviços, sua baixa eficiência e os altos custos, sem deixar de sugerir que outros meios sejam colocados a disposição da população, citando até mesmo as linhas de metrô.  


No encerramento da entrevista Azambuja comentou que logo que tiver confirmação da data da realização do seminário que trará o Senador Aécio a capital estará de volta à emissora para convidar a população para o debate.

Jornal Midiamax