Geral

Trad afirma que exigências da Fifa ainda ultrapassam limites aceitáveis

A Fifa, entidade máxima do futebol, tem feito exigências além da conta  para a realização da Copa do Mundo no Brasil, em 2014. A Lei Geral da Copa, que define regras para sediar o Mundial no país, como políticas de ingresso, distribuição de direitos de mídia e garantias dos patrocinadores, tem causado reações negativas em […]

Arquivo Publicado em 27/12/2011, às 13h19

None

A Fifa, entidade máxima do futebol, tem feito exigências além da conta  para a realização da Copa do Mundo no Brasil, em 2014. A Lei Geral da Copa, que define regras para sediar o Mundial no país, como políticas de ingresso, distribuição de direitos de mídia e garantias dos patrocinadores, tem causado reações negativas em muitos parlamentares, entre eles no deputado federal Fabio Trad (PMDB – MS).


“A Fifa parece buscar, na prática, autonomia total para definir essas questões, como se não houvesse uma legislação nacional em vigor.  A questão dos ingressos é exemplar. O Estatuto do Idoso garante meia-entrada aos maiores de 60 anos, assim como leis estaduais preveem o desconto também para estudantes. Não há por que suspender esses direitos na Copa e deixar a definição para a Fifa”, afirma Fabio.


Compreende-se a preocupação da Fifa, que nos últimos quatro anos ganhou cerca de US$ 4 bilhões com esse tipo de negócio. Mas deve-se buscar um equilíbrio entre o lucro das empresas, e também o da Fifa, e o acesso dos brasileiros à maior celebração do calendário mundial do futebol, que voltará ao país depois de 64 anos.


O governo já cedeu bastante à Fifa, atendendo a exigências que inflaram os custos do evento em pelo menos dezenas de milhões de reais.



Com informações da assessoria.

Jornal Midiamax