Geral

Tesoureira de ‘confiança’ de prefeito é demitida por desviar R$ 800 mil em dois anos

Prefeito de município no interior de MS diz que servidora de ‘confiança’ dele em quatro mandatos adulterava cheques nominais à prefeitura

Arquivo Publicado em 28/02/2011, às 18h53

None

Prefeito de município no interior de MS diz que servidora de ‘confiança’ dele em quatro mandatos adulterava cheques nominais à prefeitura

O prefeito da cidade de Rio Brilhante, Donato Lopes, do PSDB, anunciou na manhã desta segunda-feira ter exonerado uma de suas mais antigas e confiáveis servidoras, a tesoureira Rosélia Machado, por ela ter supostamente desviado algo em torno de R$ 800 mil do município nos últimos dois anos. Rosélia é casada, não tem filhos e recebe em torno de R$ 3 mil mensais.

A suspeita cuidava do dinheiro do município, algo em torno de R$ 4,5 milhões mensais, desde que Lopes assumiu o primeiro mandato – ele chefia a prefeitura pela quarta vez.

O tucano disse que os desvios foram descobertos no último mês, justamente no período que a suspeita entrou de férias. O suposto golpe, segundo o prefeito, era aplicado a partir de adulterações em cheques.

Um exemplo, segundo o prefeito: a tesoureira pegava a assinatura dele no gabinete e, ao invés de depositar o cheque na conta da prefeitura, ela depositava numa conta particular.

“Todos sabem que os cheques da prefeitura só saem de lá só nominais, mesmo em valores inferiores a R$ 20. Então uma hora íamos descobrir isso”.

O prefeito disse ter ficado desolado ao saber que a tesoureira, a quem chamou de “menina de confiança, boa família” estava implicada no esquema. “Senti vontade de ter perdido a eleição”, disse ele.

Donato Lopes revelou ter mandado abrir um processo administrativo e ainda registrou o caso na polícia. “Quero saber se tem mais gente envolvida. Não acredito que ela [tesoureira] fez isso por vontade própria, deve ter sido induzida a isso, alguém fez uma lavagem cerebral na menina”, acredita o prefeito.

Conhecidos de Roselia disseram que até dois anos atrás ela levava uma vida simples na cidade, mas isso tem mudado de dois anos para cá. Ela teria comprado recentemente uma chácara num assentamento, um carro avaliado em cerca de R$ 50 mil e um imóvel em área valorizado do município de 30 mil habitantes, a 160 km de Campo Grande.

“Quero ver se pegamos o dinheiro desviado de volta, vamos tentar isso”, disse o prefeito em entrevista a uma emissora de rádio local.

O prefeito exonerou sua tesoureira na sexta-feira, mas revelou o caso somente hoje. No fim de semana, a servidora foi vista na cidade, já hoje ela e o marido sumiram da cidade.

Jornal Midiamax