Geral

Sem Kadhafi, Otan deve encerrar missão na Líbia em 31 de outubro

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, disse nesta sexta-feira (21) que a organização tomou uma decisão preliminar de encerrar sua missão na Líbia em 31 de outubro. Até lá, as forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte vão continuar monitorando o país e defendendo a população civil, se necessário, segundo Rasmussen. As declarações […]

Arquivo Publicado em 21/10/2011, às 20h42

None

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, disse nesta sexta-feira (21) que a organização tomou uma decisão preliminar de encerrar sua missão na Líbia em 31 de outubro.


Até lá, as forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte vão continuar monitorando o país e defendendo a população civil, se necessário, segundo Rasmussen.


As declarações foram feitas após reunião com os embaixadores da Otan, em Bruxelas, um dia após a morte do ex-ditador Muammar Kadhafi durante ataque a comboio em Sirte.


Ele disse que a aliança irá tomar uma decisão formal na próxima semana.


“Enquanto isso, vou consultar a ONU e o Conselho Nacional de Transição (órgão político dos ex-rebeldes que derrubaram Kadhafi)”, disse.


“Estou muito orgulhoso do que conseguimos, junto com nosssos parceiros, inclusive muitos da região”, disse.


Questionado sobre o paradeiro de Saif al-Islam, filho de Kadhafi, Rasmussen disse que a Otan não tem conhecimento de seu paradeiro.


Mais cedo, o comandante da Otan na Europa, almirante James Stavridis, havia dito que iria recomendar o encerramento da missão.


A noticia foi divulgada em sua página no Facebook.


“É um bom dia para a Otan. Um grande dia para o povo da Líbia”, escreveu.


A reunião para decidir o futuro da missão ocorre um dia depois da morte do ex-ditador Muammar Kadhafi nas mãos de combatentes do novo governo líbio.


A operação foi iniciada em 31 de março, sob chancela do Conselho de Segurança da ONU, para proteger os civis líbios da repressão do regime de Muammar Kadhafi ao protestos por democracia.


Segundo uma fonte diplomática, o que conta para a Otan, para encerrar a missão é a queda da cidade de Sirte, onde forças kadhafistas resisitam, também ocorrida na quinta-feira, e não a morte de Kadhafi, que nunca foi o objetivo declarado da missão.

Jornal Midiamax