Geral

Segundo estudo, dieta mediterrânea adiciona 3 anos a sua expectativa de vida

Segundo um novo estudo, comer grandes quantidades de vegetais e peixe, além de consumir produtos à base de animais como carne e leite com moderação, pode aumentar a chance de viver em mais de 20%. Essa dieta mediterrânea, com alto teor de fibras e baixo teor de gordura, reduz o risco de câncer, doenças cardíacas, […]

Arquivo Publicado em 25/12/2011, às 23h59

None

Segundo um novo estudo, comer grandes quantidades de vegetais e peixe, além de consumir produtos à base de animais como carne e leite com moderação, pode aumentar a chance de viver em mais de 20%.


Essa dieta mediterrânea, com alto teor de fibras e baixo teor de gordura, reduz o risco de câncer, doenças cardíacas, entre outras condições. Agora, o estudo mais recente sobre a dieta comparou seus efeitos sobre a longevidade em milhares de pessoas com 70 anos de idade ou mais, ao longo de mais de 40 anos.


“Isto significa na prática que as pessoas idosas que comem uma dieta mediterrânea vivem cerca de 2 a 3 anos a mais do que aqueles que não a fazem”, disse o pesquisador Gianluca Tognon.


Três estudos separados apoiam as conclusões desse relatório. Um examinou os benefícios da dieta sobre as pessoas na


Dinamarca, um sobre as pessoas no norte da Suécia e um sobre as crianças.


Tognon, um italiano nativo, disse: “A conclusão que podemos tirar desses estudos é que não há dúvida de que uma dieta mediterrânea está associada a uma melhor saúde, não só para os idosos, mas também para os jovens”.


De acordo com a Unesco, a dieta mediterrânea é baseada em produtos como peixe, legumes, nozes e frutas, mas também inclui uma estrutura de tradição, onde o conhecimento é passado entre as gerações e através das comunidades.


Desde 1950, os cientistas têm estudado a dieta típica de países como Itália e Grécia, depois de perceber que as pessoas nos países do sul europeu desfrutavam vários benefícios de saúde sobre os seus homólogos do norte.


No início deste ano, uma revisão de 50 estudos existentes, que analisou um total de 500.000 pessoas, descobriu que as que seguem a dieta têm menos probabilidade de desenvolver problemas de saúde que podem causar doença cardíaca, como obesidade, diabetes e pressão alta. O benefício da dieta consiste nos “efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios” dos alimentos.


Estudos anteriores também alegaram que a comida mediterrânea pode proteger contra o câncer e a demência.

Jornal Midiamax