Geral

Resgate nuclear prossegue no Japão; radiação ainda vaza

Engenheiros obtiveram algum sucesso na missão de deter o desastre na usina nuclear atingida por um tsunami no Japão, mas evidências de pequenos vazamentos de radiação sublinharam os perigos da pior crise nuclear desde Chernobyl 25 anos atrás. Trezentos técnicos vêm lutando dentro de uma zona de risco para salvaguardar a usina Fukushima, de seis […]

Arquivo Publicado em 19/03/2011, às 20h01

None

Engenheiros obtiveram algum sucesso na missão de deter o desastre na usina nuclear atingida por um tsunami no Japão, mas evidências de pequenos vazamentos de radiação sublinharam os perigos da pior crise nuclear desde Chernobyl 25 anos atrás.


Trezentos técnicos vêm lutando dentro de uma zona de risco para salvaguardar a usina Fukushima, de seis reatores, desde que foi atingida pelo terremoto e pelo tsunami que mataram 7.508 pessoas e deixaram 11.700 desaparecidos no nordeste japonês.


A crise múltipla e inédita custará à terceira maior economia do mundo quase 200 bilhões de dólares, o maior esforço de reconstrução do Japão desde a Segunda Guerra Mundial.


O acidente também afetou centrais nucleares ao redor de todo o mundo.


Como sinal encorajador para os que trabalham em Fukushima, a situação no reator mais crítico, o de número 3 – que contém plutônio altamente tóxico – parece ter se afastado do limite depois que carros de bombeiro o molharam durante horas.


Também progrediu o trabalho para reativar a eletricidade nas bombas de água usadas para resfriar o combustível nuclear superaquecido.

Jornal Midiamax