Geral

Promotor diz que secretaria vive “mendigando” recurso em Três Lagoas

“Espero que o novo Secretário Municipal de Meio Ambiente tenha recurso para trabalhar”. A declaração é do promotor de Meio Ambiente, Antonio Carlos Garcia de Oliveira, referindo-se ao novo secretário de Meio Ambiente que substituirá Cristovam Lages Canela, demitido do cargo a pedido da prefeita Márcia Moura (PMDB). Para o promotor, a Secretaria Municipal de […]

Arquivo Publicado em 06/02/2011, às 10h36

None

“Espero que o novo Secretário Municipal de Meio Ambiente tenha recurso para trabalhar”. A declaração é do promotor de Meio Ambiente, Antonio Carlos Garcia de Oliveira, referindo-se ao novo secretário de Meio Ambiente que substituirá Cristovam Lages Canela, demitido do cargo a pedido da prefeita Márcia Moura (PMDB).


Para o promotor, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente precisa ter um orçamento adequado para desenvolver as atividades. “Não adianta criar secretaria, e não disponibilizar recurso para o secretário trabalhar. Atualmente a secretaria vive mendigando recurso para desenvolver o trabalho”, afirmou.

Oliveira informou que Cristovam Canela desenvolveu um bom trabalho à frente da secretaria, mas Três Lagoas necessita de muitos investimentos nas áreas ambientais. O promotor destacou a parceria entre a secretaria e a promotoria como um dos melhores desenvolvidos por Canela.

O promotor disse esperar que a parceria entre a Secretaria de Meio Ambiente e a promotoria continue com o novo secretário.

Ainda de acordo com Antonio Carlos, projetos de arborização, implantação da coleta seletiva, de novas estações de tratamento de esgoto, assim como da recuperação dos canteiros centrais e das calçadas, são de estrema necessidade para Três Lagoas.

Lagoas

Para o promotor do Meio Ambiente, o trabalho de preservação das três lagoas é de péssima qualidade. “As lagoas estão abandonadas. Não tem lixeiras, os lixos vão parar dentro da lagoa”, afirmou, ressaltando que não existe um grupo efetivo de trabalho para a limpeza das lagoas. “É feito um trabalho quebra-galho, sem contar com os esgotos que vazam para dentro da lagoa”, complementou.

Na Lagoa Maior, Antonio Carlos disse que é necessária a recuperação da calcada do lado externo, assim como a plantação de árvores adequadas para a área. Quanto a primeira e a segunda lagoa, o promotor ressaltou que é preciso desenvolver a urbanização adequada. “As duas lagoas sofrem com problema de assoreamento e o recebimento de esgoto”, finalizou.

Jornal Midiamax