Geral

Projeto “Pedestre, Eu Cuido” é lançado, mas precisa conquistar confiança da população

Lançado na manhã desta quinta-feira (10), com a presença do prefeito Nelson Trad Filho e do governador André Puccinelli, o projeto ‘Pedestre, Eu Cuido’, na Rua Dom Aquino, área da Praça Esportiva Belmar Fidalgo, busca conscientizar os condutores de veículos sobre a preferência dos pedestres durante a travessia da faixa destinada a eles. O Projeto […]

Arquivo Publicado em 10/11/2011, às 15h48

None

Lançado na manhã desta quinta-feira (10), com a presença do prefeito Nelson Trad Filho e do governador André Puccinelli, o projeto ‘Pedestre, Eu Cuido’, na Rua Dom Aquino, área da Praça Esportiva Belmar Fidalgo, busca conscientizar os condutores de veículos sobre a preferência dos pedestres durante a travessia da faixa destinada a eles. O Projeto é uma parceria entre o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MS), a Companhia Independente de Policiamento de Trânsito (Ciptran) e entidades que compõem o Gabinete de Gestão Integrada de Trânsito (GGIT).


Será implantado, inicialmente, em sete pontos entre os quais no Mercado Municipal com as ruas 15 de novembro e 7 de setembro, Belmar Fidalgo e Pestalozzi, e numa segunda etapa em mais cinco pontos da cidade. Haverá um trabalho de informação e conscientização que se estenderá até o dia 30 de novembro e a partir desta data os motoristas infratores serão penalizados.


“O objetivo é promover um trânsito seguro, que ande tranquilo, sem a competitividade agressividade que existe entre os motoristas, um querendo chegar mais rápido que o outro. A gente tem várias fatalidades de trânsito, isso não pode mais acontecer, nós estamos vivendo em uma época em que a locomoção tem que ser mais segura possível” segundo as palavras do prefeito Nelson Trad Filho.


Nas palavras do Comandante da Ciptran, Tenente-Coronel Alírio Vilassanti, “o principal objetivo das autoridades de trânsito é a segurança das pessoas, sejam pedestres ou motoristas e, num segundo momento e também importante a fluidez do tráfego. Este projeto visa respeitar o pedestre que esteja na faixa onde não exista sinalização semafórica. Temos como principal objetivo o exercício da cordialidade”, relatou Vilassanti.


Frequentadores do Belmar Ficalgo, Inácio Arimara, Eustáquio Urunaga e Maria Rodrigues Urunaga, dizem não acreditar que a faixa será respeitada se não houver a penalização, mas reforçam que seria necessária a permanência de um agente de trânsito no local. “Sem a penalização a conscientização vai demorar entre 5 e 10 anos para ocorrer”, disse o sr. Inácio.


“Se não tiver a sinalização, com tempo de travessia, isso não vai funcionar. Os motoristas andam desatentos, você coloca uma faixa no meio da quadra e eles não vão prestar atenção. E o que vai acontecer? Vão respeitar quem atravessa? Eu não acredito. É como acontece em vários cruzamentos que tem o semáforo, mas não tem o sinaleiro do pedestre, com aquele tempo marcado. Tente atravessar no cruzamento da José Antônio com a Antônio Maria Coelho. Não tem o sinaleiro de pedestre e os carros fazem conversão sem respeitar os pedestres. Agora imagina nessas faixas no meio da quadra. Se não houver o semáforo de automóveis e pedestres isso não vai funcionar”, disse Dona Neli, moradora das imediações.


A necessidade da campanha foi enfocada pelo prefeito que disse acreditar em resultados positivos, mas se mostra realista quanto ao tempo necessário para que o Projeto renda os resultados esperados. “Se não tiver isso, não se lançar a campanha, dificilmente se vai ter o sucesso. Então, Brasília aconteceu isso, São Paulo está acontecendo, e Campo Grande, Mato Grosso do Sul está no mesmo trilho para poder oferecer segurança ao pedestre. O objetivo vai ser alcançado a longo prazo, mas se você não começar, nunca vai se terminar, enfatizou Nelson Trad Filho.


A campanha terá, inicialmente, caráter educativo em campanhas através da mídia e educativas na frente das escolas e visa conscientizar motoristas e pedestres, seja ela através das propagandas, das ações institucionais, seja ela através de medidas punitivas.


Jornal Midiamax