Geral

Prisão de Strauss-Kahn não afetará reformas, diz Grécia

A Grécia afirmou que a prisão em Nova York do diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, não terá efeito sobre a resolução do governo de arrumar as finanças públicas do país. “Temos um programa específico do qual o FMI também faz parte, e vamos continuar a implementar esse programa”, disse o porta-voz do […]

Arquivo Publicado em 15/05/2011, às 13h09

None
A Grécia afirmou que a prisão em Nova York do diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, não terá efeito sobre a resolução do governo de arrumar as finanças públicas do país.
“Temos um programa específico do qual o FMI também faz parte, e vamos continuar a implementar esse programa”, disse o porta-voz do governo grego, George Petalotis. “Como tal, esta não é uma questão de personalidades individuais, mas uma questão de arranjos institucionais.”
A polícia prendeu Strauss-Kahn no sábado em Nova York, sob acusação de agressão sexual e tentativa de estupro a uma funcionária de um hotel. No domingo ele foi acusado formalmente pela polícia de Nova York.
Autoridades gregas admitem reservadamente que se Strauss-Kahn for considerado culpado, isso causará um forte impacto na busca do país por aliados se precisar de mais assistência financeira.
Durante uma visita a Atenas em dezembro, o diretor do FMI foi bastante crítico a outros líderes europeus por não reagirem mais rapidamente à crise de dívida na zona do euro, e elogiou a Grécia por seus esforços para uma reforma.
A Grécia reduziu no ano passado seu déficit em cerca de um terço, para 10,5% do produto interno bruto. Mas até agora não conseguiu conquistar a confiança de investidores de que será capaz de lidar com sua gigante dívida pública.
Mas com custos proibitivos de empréstimos nos mercados internacionais de crédito, autoridades gregas acreditam que o país precisará de mais ajuda para financiar sua dívida em 2012 e 2013. Isso deve ficar claro após uma auditoria do FMI sobre o orçamento grego no mês que vem.
Strauss-Kahn rejeitou publicamente a possibilidade de uma reestruturação da dívida grega. Mas a Grécia permanece esperançosa de que o FMI concordará que o país precisa de mais tempo para pagar suas dívidas. As informações são da Dow Jones. 
Jornal Midiamax