Geral

Prefeito promete auxiliar Acrissul a resolver impasse da proibição de eventos no Parque

Recentemente a 34ª Promotoria de Justiça de Campo Grande, a Promotoria do Meio Ambiente, solicitou a interdição administrativa do Parque de Exposições para as atividades de shows, feiras, festas, eventos musicais em geral e rodeios.

Arquivo Publicado em 23/09/2011, às 18h12

None

Recentemente a 34ª Promotoria de Justiça de Campo Grande, a Promotoria do Meio Ambiente, solicitou a interdição administrativa do Parque de Exposições para as atividades de shows, feiras, festas, eventos musicais em geral e rodeios.

O prefeito Nelsinho Trad se reuniu na manhã desta sexta-feira (23) no Paço Municipal com a diretoria da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) e disse que irá interceder juntamente com a câmara de vereadores para buscar uma solução e ajudar a resolver o impasse da interdição administrativa imposta ao Parque de Exposições Laucídio Coelho, além da proibição de shows e eventos no lugar. 
Recentemente a 34ª Promotoria de Justiça de Campo Grande, a Promotoria do Meio Ambiente,  solicitou a interdição administrativa do Parque de Exposições para as atividades de shows, feiras, festas, eventos musicais em geral e rodeios, até que sejam obtidas previamente todas as licenças ambientais exigidas legalmente. O licenciamento foi cláusula de acordo judicial homologado em março deste ano. 
De acordo com a assessoria de imprensa da Acrissul, no dia 15 de julho a associação protocolou a documentação na Prefeitura, estando o processo em tramitação. Mesmo assim o Ministério Público entendeu que a associação não havia cumprido o acordo e solicitou a interdição. A medida provocou a mudança de local do evento 6º Potro do Futuro e Campeonato Estadual de Laço Comprido, promovido pela Associação Campo-Grandense de Criadores de Quarto de Milha (ACQM), que levaria mais de 1.300 conjuntos para o Parque.
A Acrissul protocolou também, na data de hoje, um pedido de informações na Secretaria Municipal de Meio Ambiente, para que esta forneça uma lista de todos os locais de Campo Grande que tenham licenciamento ambiental e são palco de shows musicais e outros eventos públicos, como Estádio Morenão, Praça do Rádio Clube, Feira Central de Campo Grande, Parque das Nações Indígenas, Praça do Papa, entre outros na Capital. 
Para o presidente da Acrissul, Francisco Maia, a medida imposta pelo Ministério Público está causando prejuízos incalculáveis para a associação, além de restringir  o acesso da população ao lazer e ao entretenimento a custo acessível. “A julgar pela situação atual – com a proibição de quaisquer eventos no Parque, a Acrissul não terá mais renda para promover suas atividades sociais”, argumenta. (Com informações da assessoria). 
Jornal Midiamax