A Petrobras intensificou as buscas ao helicóptero que desapareceu no Oceano Atlântico no final da tarde de ontem (19), depois de decolar da plataforma P-65, na Bacia de Campos, com quatro pessoas a bordo. A estatal divulgou, neste sábado (20), o nome do copiloto da aeronave: Lauro Pinto Haytzann.

A identidade dos demais ocupantes da aeronave já tinha sido divulgada: o auxiliar técnico de Planejamento da empresa Engevix Ricardo Leal de Oliveira e o técnico de Inspeção da empresa Brasitest João Carlos Pereira da Silva; além do piloto, Rommel Oliveira Garcia.
 
Segundo nota divulgada pela estatal, as buscas continuam “sem interrupção”. Além das duas aeronaves equipadas para voo noturno, mais seis aeronaves da Petrobras, duas da Aeronáutica e um barco da Marinha foram incorporados aos esforços para localizar o helicóptero e a tripulação, se juntando às 16 embarcações que já operam na área desde ontem, sendo quatro equipadas com robôs submarinos.
 
A estatal também determinou, segundo a nota, que “todas as aeronaves do mesmo modelo [da que desapareceu] permaneçam no solo”. Ainda hoje haverá uma reunião entre representantes da Petrobras e da empresa fabricante do helicóptero, um Agusta AW-139, prefixo PR-SEK, que virão da Itália.
 
No fim da tarde de ontem (19), o helicóptero da empresa Sênior Táxi Aéreo, de São Paulo, que presta serviços à petrolífera brasileira, solicitou autorização para um pouso de emergência no Aeroporto de Macaé, no norte do estado, mas acabou sendo obrigada a pousar no mar. O plano de emergência da Bacia de Campos foi acionado assim que a torre de comando do Aeroporto de Macaé perdeu o contato com a aeronave, por volta das 17h.