Geral

Pan: Dueto do Brasil encanta, leva bronze, mas sai ‘engasgado’ com os EUA

A bossa bova apresentada na prova técnica de Lara Teixeira e Nayara Figueira deu lugar à ópera-rock na rotina livre, e o dueto brasileiro faturou mais uma medalha de bronze para o Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara. Favoritas absolutas, as canadenses garantiram o ouro. As americanas ficaram com a prata, e a brasileiras deixaram […]

Arquivo Publicado em 21/10/2011, às 00h56

None

A bossa bova apresentada na prova técnica de Lara Teixeira e Nayara Figueira deu lugar à ópera-rock na rotina livre, e o dueto brasileiro faturou mais uma medalha de bronze para o Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara. Favoritas absolutas, as canadenses garantiram o ouro. As americanas ficaram com a prata, e a brasileiras deixaram a piscina reclamando das avaliações dos juízes.


A dupla, que está disputando o primeiro Pan junta, apresentou uma coreografia rápida, cheia de movimentos que exigiam força e velocidade, ao ritmo da ópera-rock da Trans Siberian Orchestra. Na rotina livre, Lara e Nayara fizeram 88.913 pontos, que somados aos 88.500 conquistados na rotina técnica, na última terça-feira, garantiram um lugar no pódio para a dupla brasileira (177.413 pontos, no total). Apesar da medalha e de saírem da piscina satisfeitas com a apresentação, as brasileiras não concordaram com as notas dadas pelos juízes.


– Nós estamos muito emocionadas por ter nadado assim. A gente melhorou muito do Mundial para cá. O nado sincronizado é muito subjetivo. Em cada competição, a gente tem que tentar pegá-las (americanas). Mas a gente está muito feliz pela nossa performance – disse Lara, que nos Jogos Pan-Americanos do Rio, em 2007, já havia sido bronze ao lado de Caroline Hildebrand.


Ao som de “Master of Puppets”, do Metallica, as canadenses Marie-Pier Boudreau e Elise Marcotte levaram o ouro, com 188.988 no total. O dueto dos Estados Unidos, formado por Mary Killman e Mariya Koroleva, alcançou a segunda posição ao somar 179.463, sendo 90.125 da rotina técnica e 89.338 da rotina livre.


– A gente fez o que a gente podia, mas infelizmente não dependia só da gente. Nosso esporte é assim, depende do que os outros acham. Mas estamos muito felizes. Nós cumprimos o nosso objetivo. Tudo que a gente treinou, tudo que a gente passou do Mundial para cá, as mudanças que a gente fez para incrementar a coreografia, tudo foi muito válido – afirmou Nayara.


A técnica do dueto brasileiro, Andrea Curi, afirmou que Lara e Nayara foram melhores do que as americanas. Segundo a treinadora, é difícil quebrar a longa tradição americana no esporte.


– Eu gostei muito. Acho que dentro d’água não deixou sombra de dúvidas. Todo mundo viu que foi uma supernadada, cheia de energia. A coreografia era muito mais difícil do que o do próprio segundo colocado. Mas nado sincronizado é assim. A gente tem que ter paciência e mostrar em várias competições seguidas que a gente está muito melhor do que aquele outro país para quebrar uma tradição de mil anos – disse.


Esta é a quarta medalha de bronze do Brasil na prova de dueto em Jogos Pan-Americanos. Nesta competição, Canadá, Estados Unidos e México sempre foram as principais potências.

Jornal Midiamax