Geral

Organizações vão monitorar desmatamento na Pan-Amazônia

Um grupo de ONGs (organizações não governamentais) vai começar a monitorar o desmatamento na Pan-Amazônia. Os primeiros mapas, com informações sobre o estado da floresta em 2000, 2005 e 2010, serão apresentados em até três meses. O monitoramento vai permitir uma visão integrada das pressões que ameaçam a floresta nos nove países que compartilham o […]

Arquivo Publicado em 17/11/2011, às 17h26

None

Um grupo de ONGs (organizações não governamentais) vai começar a monitorar o desmatamento na Pan-Amazônia. Os primeiros mapas, com informações sobre o estado da floresta em 2000, 2005 e 2010, serão apresentados em até três meses. O monitoramento vai permitir uma visão integrada das pressões que ameaçam a floresta nos nove países que compartilham o bioma.


A iniciativa é uma parceria entre o Imazon (Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia), reconhecido pelo monitoramento do desmate na Amazônia brasileira, a ARA (Articulação Regional Amazônica) e a Raisg (Rede Amazônica de Informação Socioambiental Referenciada).


“Os dados hoje são uma colcha de retalhos. É preciso ter uma radiografia integrada”, avaliou o pesquisador sênior do Imazon, Carlos Souza.


O monitoramento regional deve permitir um diagnóstico das pressões sobre o bioma, que não se limitam às fronteiras nacionais e têm impactos sobre toda o ecossistema. “Não existem várias amazônias, existe uma só. O futuro na Amazônia brasileira está intimamente ligado ao da Amazônia andina. É uma só bacia, se o Peru e o Equador não cuidarem da parte alta da bacia, os prejuízos também serão do Brasil”, ponderou o presidente da Fundação ProNaturaleza, do Peru, Marc Dourojeanni.


O Brasil, que abriga mais de 64% do bioma, ainda é de longe o país que mais desmata a Floresta Amazônica, mas dados recentes mostram que o desmatamento nos países andinos tem aumentado em ritmo muito maior que no Brasil, principalmente na Bolívia e no Equador.


“É uma região que não está isolada, os limites políticos são importantes, mas o ecossistema está integrado. O que acontece nos Andes, na cabeceira dos rios, vai ter impacto direto aqui no Brasil”, acrescentou Souza, do Imazon.


A partir dos mapas de referência, será possível planejar a implementação de um monitoramento periódico de toda a região, como o Imazon faz no Brasil com o SAD (Sistema de Alerta de Desmatamento). A ONG divulga relatórios mensais do desmatamento na Amazônia, de forma paralela ao levantamento oficial feito pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).


Segundo Souza, o grande desafio para dar escala às ferramentas e garantir que o monitoramento seja constante é o financiamento. “O desafio não é mais técnico, é operacional. Para transformar essas ações em projetos operacionais é preciso ter garantias financeiras para isso. Há custos para se ter um laboratório minimamente equipado, contratação de técnicos, pessoal para ir a campo”, listou.


A parceria das ONGs antecipa uma iniciativa da Otca (Organização do Tratado de Cooperação Amazônica), que tem negociado o compartilhamento de metodologias brasileiras de monitoramento de desmate com países amazônicos vizinhos. A iniciativa pretende pleitear recursos do Fundo Amazônia para financiar o projeto.


A discussão de estratégias integradas para a Amazônia é um dos focos do debate do encontro Cenários e Perspectivas da Pan-Amazônia, organizado pelo Fórum Amazônia Sustentável, em Belém.


Jornal Midiamax