O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, acusou o Congresso de atrasar a recuperação econômica impedindo a aprovação de medidas de “senso comum” que, segundo ele, vão criar empregos e impulsionar o crescimento.

Em uma declaração gravada na quarta-feira durante uma visita a Illinois e publicada neste sábado, enquanto o presidente tira férias no vinhedo de Martha, em Massachusetts, Obama disse que os projetos de construção, comércio e do imposto de renda ajudariam a reativar a economia.

“A única coisa que nos impede de aprovar esses projetos é a recusa de alguns no Congresso em colocar o país em primeiro lugar. Esse é o problema agora. Isso é o que está segurando este país”, disse ele em seu discurso semanal de rádio e internet.

A bolsa de Wall Street sofreu quatro semanas de perdas devido aos temores dos investidores, em parte, por preocupações de que os EUA podem estar caminhando para uma nova recessão após uma pequena expansão no primeiro semestre de 2011.

Com o desemprego acima de 9 por cento, as esperanças de reeleição de Obama dependem de sua capacidade de convencer os eleitores de que está dirigindo a economia dos EUA para o caminho certo.

A Casa Branca disse que o presidente iria gastar boa parte de suas férias de nove dias fora de Washington trabalhando em um pacote de criação de emprego e de crescimento que será anunciado em um discurso em setembro.

No discurso deste sábado, Obama reconheceu que o país ainda estava longe de estabilidade econômica. “Estamos passando por um momento difícil. Estamos saindo de uma recessão terrível”, disse ele.

“Então, precisamos das pessoas em Washington, as pessoas cujo trabalho é resolver os problemas do país, aqueles a que vocês elegeram para o serviço público, que deixem para trás suas diferenças e resolvam as coisas”, disse ele.

Os republicanos controlam a Câmara dos Deputados e os democratas do Senado. Este mês, um amargo debate entre ambas as partes por um corte no déficit colocou o país à beira do calote da dívida e provocou um rebaixamento da nota de crédito dos EUA.

No discurso semanal republicano, o governador de Ohio, John Kasich, disse o presidente tomou uma má decisão de deixar Washington e culpar os outros pelos impasses.