Geral

Nobel da Paz de 2006 é demitido do banco que criou

Muhammad Yunus, vencedor do Nobel da Paz em 2006 e pioneiro da microfinança, foi demitido do banco que fundou, o Grameen Bank, após meses de pressão política para deixar a instituição. “O Banco de Bangladesh retirou Yunus de suas funções como diretor gerente do Grameen Bank com efeito imediato”, informou hoje Muzammel Huq, presidente do […]

Arquivo Publicado em 02/03/2011, às 12h58

None

Muhammad Yunus, vencedor do Nobel da Paz em 2006 e pioneiro da microfinança, foi demitido do banco que fundou, o Grameen Bank, após meses de pressão política para deixar a instituição. “O Banco de Bangladesh retirou Yunus de suas funções como diretor gerente do Grameen Bank com efeito imediato”, informou hoje Muzammel Huq, presidente do Grameen Bank.

De acordo com Huq, a demissão ocorreu porque Yunus violou uma cláusula do regulamento relacionada à nomeação do diretor gerente do banco. “Yunus foi escolhido como diretor gerente do Grameen Bank em 2000 sem a aprovação prévia do Banco de Bangladesh”, o que era exigido pelo regulamento, disse Huq, que foi nomeado pelo governo e é abertamente crítico a Yunus.

Em um comunicado, o Grameen Bank contestou a decisão do BC e afirmou que Yunus permanece no cargo, dizendo que “cumpriu a lei no que diz respeito à nomeação do diretor gerente”. “De acordo com os consultores judiciais do banco, o fundador do Grameen Bank e vencedor do Nobel, professor Muhammad Yunus, está adequadamente continuando em seu cargo”, disse o comunicado.

Após a divulgação de um documentário norueguês em dezembro, que acusou Yunus e o Grameen de más práticas, o professor passou a ser criticado pela imprensa de Bangladesh e o banco virou alvo de investigações do governo. Recentemente, Yunus vinha sofrendo pressão do governo para deixar o cargo. No começo de fevereiro, o ministro de Finanças do país, A.M.A. Muhith, pediu que ele se retirasse do banco e o BC escreveu para ele afirmando que a ocupação do cargo era ilegal.

Apoiadores de Yunus, incluindo a ex-presidente da Irlanda, Mary Robinson, dizem que existe uma campanha de ataques politicamente orquestrados ao vencedor do Nobel desde que ele rompeu com o primeiro-ministro de Bangladesh, Sheikh Hasina, em 2007. Os dois brigaram quando Yunus propôs a criação de um partido político. Em dezembro do ano passado, Hasina acusou Yunus de tratar o Grameen Bank como sua “propriedade pessoal” e disse que o banco “suga sangue dos pobres”. As informações são da Dow Jones.

Jornal Midiamax