Geral

Na TV, Pedrossian defende mudança do nome de MS

Em entrevista exclusiva à TV Assembleia (canal 9 da NET), o ex-governador Pedro Pedrossian revelou os bastidores da criação de Mato Grosso do Sul e contou que foi ele quem sugeriu esse nome para o Estado para o então presidente Ernesto Geisel. Apesar de a proposta ter partido dele, hoje Pedrossian aprova a mudança do […]

Arquivo Publicado em 02/03/2011, às 20h12

None

Em entrevista exclusiva à TV Assembleia (canal 9 da NET), o ex-governador Pedro Pedrossian revelou os bastidores da criação de Mato Grosso do Sul e contou que foi ele quem sugeriu esse nome para o Estado para o então presidente Ernesto Geisel. Apesar de a proposta ter partido dele, hoje Pedrossian aprova a mudança do nome de Mato Grosso do Sul.


Ex-governador de MT e MS, Pedrossian disse que o nome do Estado já estava definido como Campo Grande. No entanto, ele convenceu Geisel a mudar de ideia, para não desagradar os outros municípios sul-mato-grossenses.


Pedrossian diz que os tempos são outros e que o nome do Estado deve ser escolhido pelos sul-mato-grossenses. Para ele, a alteração pode representar o encontro do Estado com a sua verdadeira identidade.


“Naquele tempo, dependia da vontade de um presidente. Podia ser A, B, C ou D, acabou sendo Mato Grosso do Sul, mas hoje temos um Estado com todos os órgãos funcionando”, afirmou. “Acho que essa identidade poderia começar com a mudança do nome”.


Pedrossian também revelou que era contra a divisão do Estado por acreditar que Mato Grosso do Sul ficaria com as terras menos férteis. “A divisão aconteceu e eu não posso dizer que fui a favor”, afirmou. Ironicamente, ele é o único homem a ter governado Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.


Na entrevista concedida a Andréa Barros e Nivaldo Mota, Pedrossian dá uma verdadeira aula de história ao falar da infância, dos sonhos, da frustração por não ter sido o 1º governador de Mato Grosso do Sul e das disputas políticas, mas também trata de temas muito atuais como a proibição de shows Expogrande por conta da Lei do Silêncio.


Conhecido pelas obras emblemáticas (consideradas faraônicas, à época), como o Parque dos Poderes (sede dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário) e o Parque das Nações Indígenas, Pedrossian foi logo dizendo o que faria diante do impasse sobre o local para as apresentações musicais. “Eu iria construir o maior parque de exposições do País”, disse.


O Programa Retratos da História estava previsto para hoje (2), mas foi adiado para quinta-feira (3) à noite. (Atualizado às 17h54 para acréscimo de informação)

Jornal Midiamax