Geral

MS Canta Brasil mobiliza 300 mil pessoas em 2011 e abre espaço para talentos

Marina Dalla, Dimitri Pellz, Hermanos Irmãos, Guga Borba e Gustavo Vargas, esses foram os cincos nomes de nossa música que subiram em 2011, no palco do MS Canta Brasil, evento do governo do Estado, promovido pela Fundação de Cultura (FCMS), que leva ao Parque Indígena expoentes da música nacional junto com talentos regionais. Desde que […]

Arquivo Publicado em 26/12/2011, às 20h27

None

Marina Dalla, Dimitri Pellz, Hermanos Irmãos, Guga Borba e Gustavo Vargas, esses foram os cincos nomes de nossa música que subiram em 2011, no palco do MS Canta Brasil, evento do governo do Estado, promovido pela Fundação de Cultura (FCMS), que leva ao Parque Indígena expoentes da música nacional junto com talentos regionais.


Desde que foi inaugurado, em outubro de 2007 pelo Chalana de Prata, até novembro de 2011 com o show de Gustavo Vargas, já se apresentaram no evento 34 nomes sul-mato-grossenses: Chalana de Prata, Tropeiros da Querencia, Bojo Malê, Jerry Espíndola, Jucy Ibañez, Olho de Gato, Carlos Colman, Geraldo Espíndola, Filho dos Livres, Marcelo Loureiro, Guilherme Rondon, Bêbados Habilidosos, Bando do Velho Jack, Agemaduomi, Velho do Rio, Lia Mayo, Grass, Balaio Jazz, Simona, Léo Verão e Daniel Freitas, Zézinho do Forró, Delay, Curimba, Sampri, Aldeia Black, Muchileiros, Mandioca Loca, Gideão Dias, Jeniffer Magnética, Marina Dalla, Dimitri Pellz, Guga Borba, Hermanos Irmãos e Gustavo Vargas.


Guga Borba, que se apresentou com seu Duo Filho dos Livres e com o disco solo “Apneia” afirma que o evento é uma grande vitrine do trabalho para qualquer músico. “Não é apenas o público que vem ao parque que vê nosso trabalho, os artistas nacionais curtem também nossos shows.


É uma troca muito boa de experiências”. Rogério Flausino, da banda mineira Jota quest que passou por várias dificuldades antes de chegar ao sucesso valorizou o projeto que dá oportunidades aos artistas locais. Flausino fez questão de enfatizar a importância de se ter essa união com os cantores locais. “Nós já passamos por isso. Abrimos vários shows no começo de nossa carreira e sabemos da importância disso para o artista”, ressaltou.


A Rainha do Rock, Rita Lee, também fez questão de enfatizar a troca com artistas locais, em seu microblog, Rita postou várias mensagens de incentivo ao trio Hermanos Irmãos, que abriu seu show em setembro deste ano. “É muito bom receber um elogio de uma grande artista. Foi um grande show, muito especial. Guardaremos conosco o carinho dela e do público”, enfatizou o músico e compositor Jerry Espíndola, logo após a apresentação.


Aproximadamente 300 mil pessoas estiveram no Parque Indígena para assistir aos shows de Marina Dalla e Fernanda Abreu (15 mil), Dimitri Pellz e Maria Gadú (70 mil), Guga Borba e Jota quest (90 mil), Hermanos Irmãos e Rita Lee (70 mil), Gustavo Vargas e Teatro Mágico (50 mil). Este último teve que ser adiado por conta das chuvas fortes.


O Teatro Mágico chegou a subir no palco para se desculpar com as quase mil pessoas que esperaram pacientemente, mas quando subiram novamente ao palco em outra data, 50 mil pessoas assistiram a dois shows: Gustavo Vargas e Teatro Mágico entusiasmaram o público, o que deixou o MS Canta Brasil com gostinho de quero mais. Para o ano que vem, o governo já sinalizou que o evento não vai parar já que faz parte do calendário cultural do Estado.

Jornal Midiamax