Geral

Ministro diz que obras para Copa ficarão prontas no tempo previsto

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, disse hoje (22) que todas as obras para a Copa do Mundo, que ocorrerá em 2014 no Brasil, estarão prontas no tempo previsto. “Todas as providências foram adotadas quando (o ex-presidente) Lula assinou 11 compromissos perante a Fifa. Portanto, o Brasil acolhe com grande entusiasmo e com grande alegria […]

Arquivo Publicado em 23/12/2011, às 00h52

None

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, disse hoje (22) que todas as obras para a Copa do Mundo, que ocorrerá em 2014 no Brasil, estarão prontas no tempo previsto. “Todas as providências foram adotadas quando (o ex-presidente) Lula assinou 11 compromissos perante a Fifa. Portanto, o Brasil acolhe com grande entusiasmo e com grande alegria a Copa do Mundo, com a consciência segura de que vamos ter uma grande Copa do Mundo, tanto fora quanto dentro das quatro linhas”, disse.


No início do mês, o Tribunal de Contas da União (TCU) emitiu um alerta para o governo federal sobre as obras de mobilidade urbana relacionadas à Copa do Mundo. Segundo o documento de auditoria, grande parte desses projetos está atrasada e está com contratos de financiamento pendentes. A situação é considerada preocupante, com risco de muitos projetos não ficarem prontos até 2014.


Rebelo destacou que os alertas não são preocupantes e que governo honrará o compromisso firmado para realização da competição mundial no Brasil. “Respeito os alertas e o acompanhamento do TCU, mas o governo federal está atento, acompanhando e buscando o cumprimento dos compromissos que viabilizam e asseguram o sucesso e a realização da Copa do Mundo, de acordo com as necessidades da população, do país e dos visitantes”, assegurou.


O ministro ainda comentou o interesse do governo em assinar um termo de cooperação que dê prioridade na aquisição de máquinas e equipamentos nacionais para as obras da Copa do Mundo e das Olimpíadas de 2016. “É quase obrigação priorizar equipamentos fabricados no Brasil. É obrigação, não é protecionismo. Protecionismo é quando você usa mecanismos que não são legítimos para proteger. E proteção é quando usamos atribuições e meios legítimos para proteger a economia, o emprego, os impostos e o mercado do país”, disse.


Jornal Midiamax