Geral

Mais de 6 mil empregos foram criados apenas este ano em Corumbá

A economia corumbaense teve saldo negativo no balanço entre contratações e demissões em novembro. A conclusão é do relatório do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). No mês passado a retração foi de 0,94% o que significou um total de demissões maior que o quantitativo de […]

Arquivo Publicado em 22/12/2011, às 10h48

None

A economia corumbaense teve saldo negativo no balanço entre contratações e demissões em novembro. A conclusão é do relatório do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). No mês passado a retração foi de 0,94% o que significou um total de demissões maior que o quantitativo de admissões com carteira assinada.


Somente em novembro, a economia local contratou 423 pessoas e demitiu 554 trabalhadores, configurando saldo negativo de 131 vagas. Em Os setores que mais dispensaram mão-de-obra foram o de Serviços, com 226 demissões, e o Comércio, que demitiu 105. Curiosamente, os dois segmentos foram os que mais contrataram no penúltimo mês do ano. O setor de Serviços admitiu 147 pessoas e o Comércio 105, mesma quantia que demitiu.


Ao longo de todo ano de 2011, as estatísticas do Caged para Corumbá são melhores e com números positivos. De janeiro a novembro deste ano a balança do total de contratados e demitidos pende para o lado de admissões formais. Nestes onze meses foram admitidas 6.371 pessoas com carteira assinada no município e o total de demissões foi de 5.257 trabalhadores. Saldo positivo de 1.114 postos de trabalhos.


No intervalo de doze meses os números também são favoráveis. Entre novembro de 2010 e o mesmo mês de 2011, permaneceram 748 trabalhadores em seus postos. Foram dispensadas 5.979 pessoas e contratadas formalmente 6.727 profissionais.


MS e Brasil


No Estado, o Caged indica que em novembro de 2011 houve redução de 1.285 empregos celetistas, equivalente à retração de 0,29% em relação ao estoque de assalariados com carteira assinada do mês anterior. Os setores de atividade econômica que mais contribuíram para este resultado foram a Agropecuária (-773 postos) e a Construção Civil (-747 postos), cujos saldos superaram, principalmente, a expansão do emprego no Comércio (+ 900 postos).


Já nos primeiros onze meses deste ano, houve acréscimo de 32.469 postos (+7,71%). Nos últimos 12 meses, verificou-se um crescimento de +5,53% no nível de emprego ou +23.748 postos de trabalho.


O Brasil gerou 2.320.753 postos de trabalho com registro em carteira entre os meses de janeiro a novembro deste ano, equivalentes a expansão de 6,46% em relação ao estoque de empregos de dezembro de 2010. Somente em novembro deste ano, foram criados 42.735 empregos formais, alta de 0,11% em relação ao estoque de empregos celetistas do mês anterior.


Matéria de Marcelo Fernandes

Jornal Midiamax