Geral

Lojistas lamentam incêndio que comprometeu prédios no centro de Campo Grande

A todo instante, funcionários e proprietários chegavam ao local e ficavam chocados com o tamanho dos estragos. Incêncio na madrugada atingiu seis lojas na esquina da Avenida Mato Grosso com 13 de Maio.

Arquivo Publicado em 03/12/2011, às 16h00

None
853137407.jpg

A todo instante, funcionários e proprietários chegavam ao local e ficavam chocados com o tamanho dos estragos. Incêncio na madrugada atingiu seis lojas na esquina da Avenida Mato Grosso com 13 de Maio.

Um incêndio atingiu seis lojas no cruzamento da Avenida Mato Grosso com a Rua 13 de Maio, durante a madrugada deste sábado (3) no centro de Campo Grande. Cinco estabelecimentos foram completamente destruídos pelas chamas: uma lanchonete, uma livraria, um escritório de advocacia e duas lojas de roupas.

João Francisco de Oliveira, de 46 anos, é o dono da lanchonete (na Mato Grosso). Nesta manhã, estava desolado olhando o cenário em frente ao comércio, que foi inaugurado há apenas dois meses. “Eu era autônomo e vendia salgados antes. Depois de muito suor, agora que consegui montar o meu próprio negócio, acontece isso. É complicado, triste demais pra gente”, diz. Sem seguro, João calcula um prejuízo superior a R$ 20 mil.

A funcionária de uma das lojas de roupas (na 13 de Maio), Tereza da Silva Delmondes, contou que foi avisada sobre o problema durante a madrugada deste sábado, por volta das 4h. “Todo o material da loja e o estoque foram destruídos, é doloroso demais ver cenas como essas”, lamenta.

Tereza, que é cunhada da proprietária, trabalha no local há 14 anos e lembra que essa é a primeira vez que enfrenta uma situação do gênero. “Aqui sempre foi um lugar abençoado. Mas hoje, além de perdermos toda a roupa, da vitrine e do estoque, o Corpo de Bombeiros disse que a estrutura do prédio também ficou comprometida”. Ela contou também que a patroa estava viajando, justamente fazendo compras para revender no final de ano.

Mais estragos, mais prejuízos

A todo instante, chegavam funcionários e proprietários ao local, que ficavam totalmente chocados com o que encontravam pela frente. “Fui avisada pelo celular do incêndio, mas quando cheguei quase não acreditei com o que vi”, relatou Cláudia Regina Policarpes.

Nessa outra loja de roupas feminina, (na Mato Grosso) o negócio também estava começando, era apenas um mês de funcionamento. “Fizemos toda compra, um grande estoque, principalmente de vestidos, para o fim de ano. Mas fazer o quê? Perdemos tudo, até os móveis. Gastamos mais de 30 mil reais aqui”, lamentou Cláudia.

A vendedora, que cuidava do estabelecimento da família, mostrou o interior da loja, onde raras peças de roupas podiam ser observadas. A estrutura do local também foi comprometida, até o teto desabou.

Exatamente na esquina da avenida Mato Grosso com a rua 13 de Maio fica a Papelaria e Livraria Dom Bosco, mais uma loja completamente consumida pelas chamas. Quem passa em frente, não consegue nem identificar qual o segmento da loja, de tão grande que foi o estrago. Os proprietários estiveram no local, mas não quiseram gravar entrevistas.

Uma das únicas lojas que sobrou

Ao lado da papelaria, fica uma ótica da capital (na 13 de Maio), que foi a única onde o incêndio não causou tantos prejuízos. “Mas perdemos boa parte do estoque de óculos sim, um material que estava principalmente no piso superior”, afirmou Geane Vilar dos Santos, a proprietária da ótica.

Ela conta que tem o comércio há três anos e meio e também é a primeira vez que presencia um fato como esse na região. Na ótica, hoje foi dia de faxina, como parte do teto queimou também, havia muitas cinzas e bastante sujeira esno estabelecimento.

Quando a reportagem chegou ao local, o Corpo de Bombeiros já tinha finalizado o trabalho. As reais causas do fogo ainda serão investigadas e somente o laudo deverá apontar o horário, o local de onde partiram as chamas e, principalmente, os motivos dessa tragédia. Segundo as primeiras informações ainda na região, os funcionários acham que o problema teria começado entre 1 e 2h da madrugada.

Jornal Midiamax