Geral

Gritos de ‘Magrão’, aplausos e hinos marcam enterro do ídolo Sócrates

Torcedores cantaram hinos de Corinthians e Botafogo-SP e entoaram o coro de "Magrão, Magrão", mais um apelido de Sócrates. Ao fim do enterro, todos aplaudiram o ídolo e cantaram o Hino Nacional.

Arquivo Publicado em 04/12/2011, às 20h52

None
261469357.jpg

Torcedores cantaram hinos de Corinthians e Botafogo-SP e entoaram o coro de “Magrão, Magrão”, mais um apelido de Sócrates. Ao fim do enterro, todos aplaudiram o ídolo e cantaram o Hino Nacional.

Pouco depois de a bola rolar para Corinthians x Palmeiras, no Pacaembu, um ídolo do Timão arrastou cerca de mil pessoas em sua despedida. Torcedores e amigos, muitos com as camisas do Corinthians e do Botafogo-SP, estiveram presentes ao enterro de Sócrates, neste domingo, em Ribeirão Preto. A cerimônia ocorreu às 17h25 e era prevista apenas para a família, mas a Polícia não conseguiu conter a multidão, que seguiu o cortejo até a sepultura, no Cemitério Bom Pastor. O ex-jogador faleceu na madrugada deste domingo, aos 57 anos, vítima de choque séptico – ele enfrentava uma cirrose hepática e problemas no sistema digestivo, decorrentes de problemas causados pelo consumo prolongado de álcool.


Torcedores cantaram hinos de Corinthians e Botafogo-SP e entoaram o coro de “Magrão, Magrão”, mais um apelido de Sócrates. Ao fim do enterro, todos aplaudiram o ídolo e cantaram o Hino Nacional.


Desde o início da tarde a movimentação era grande no cemitério. O caixão com o corpo de Sócrates chegou ao local às 13h40 e foi visitado por tanta gente que foi preciso fechar as portas do salão às 16h30. Raí e Sófocles, irmãos do ex-jogador, representaram a família, mas não falaram com a imprensa. Um padre fez uma prece em homenagem ao Doutor.


Outros ex-jogadores, como Wladimir, que ganhou três títulos paulistas pelo Corinthians ao lado de Sócrates (nos anos 80), e Zetti, amigo de Raí dos tempos de São Paulo, também foram se despedir de Sócrates. A esposa Kátia, muito abalada, não compareceu.

Jornal Midiamax