Geral

Felipão lamenta “maior vergonha da vida” e deixa permanência em aberto

Ídolo na passagem anterior pelo Palmeiras, Luiz Felipe Scolari acumula frustrações na volta ao clube. Neste domingo, o treinador passou por uma nova situação constrangedora ao ver da beira do campo o Palmeiras entregar o empate ao Atlético-GO mesmo com dois jogadores a mais em campo, no que ele classificou como “a maior vergonha da […]

Arquivo Publicado em 25/09/2011, às 23h18

None

Ídolo na passagem anterior pelo Palmeiras, Luiz Felipe Scolari acumula frustrações na volta ao clube. Neste domingo, o treinador passou por uma nova situação constrangedora ao ver da beira do campo o Palmeiras entregar o empate ao Atlético-GO mesmo com dois jogadores a mais em campo, no que ele classificou como “a maior vergonha da vida”.

“Não tinha nem o pau da barraca para chutar. Se você colocar para mim… Eu já perdi de 6 a 0, já perdi campeonato. Mas onze contra nove, 1 a 0…. E ainda poderia perder o jogo. Acho que foi a maior vergonha da minha vida, não sei se os jogadores acham isso”, disparou o comandante alviverde, que já havia dirigido o time no revés por 6 a 0 contra o Coritiba.

Ao ser questionado sobre até quando aguenta a situação, o comandante deixou o futuro no clube em aberto e isentou a diretoria de culpa: “pelo menos até amanhã, quando voltar para lá (para São Paulo). Vamos ver o que vai acontecer. É vexame de todo mundo, não tem a nada a ver com direção. Diretoria não tem nada a ver com isso. Somos nós”, declarou, cabisbaixo.

No segundo tempo do confronto no Serra Dourada, quando o Palmeiras tinha a partida nas mãos, Felipão pediu, de forma insistente, para a equipe buscar o ataque. Mas o time observou sem iniciativa a reação do heroico Atlético-GO. O treinador, que na última semana comparou sua relação com o Palmeiras a um casamento em crise, admite dificuldade para reagir.

“Nem com amor está dando. Foi um vexame, uma vergonha e tudo pior que as pessoas quiserem chamar. Nós somos pagos para fazer o melhor e não realizamos coisa nenhuma. Que ninguém fique bravo, porque é a realidade”, constatou Scolari.

Felipão recordou neste domingo que realiza com frequência trabalhos com a equipe para enfrentar adversários em inferioridade numérica. Em nenhum momento, o treinador reclamou do resultado no Serra Dourada.

“O Atlético-GO alcançou o empate com méritos, com qualidade e esforço. Não fizemos nada para merecer a vitória depois que o adversário teve o segundo expulso. Nós entregamos o resultado”, disse.

O técnico concorda que o Palmeiras tem feito pouco para merecer algo a mais no Brasileiro e cogitou a entrada de mais um zagueiro em alguns jogos.

“Até minha avó que está enterrada sabe que é muito pouco. Estamos ganhando, tomamos o gol. Acho que em determinados jogos vamos ter de colocar mais um zagueiro. As coisas não acontecem, parece que desaprende, deixam de pensar coletivamente. É desastre, vergonha. Vamos correr atrás de novo”, encerrou.

Jornal Midiamax