Geral

Farc devem começar hoje a libertar 5 reféns

As Farc prometem libertar nesta quarta-feira (9) na cidade colombiana de Villavicencio o primeiro de cinco sequestrados pelo grupo. Dois helicópteros emprestados pelo Brasil participam da operação. O primeiro resgatado será o vereador de San José del Guaviare Marcos Vaquero, refém desde junho de 2009. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha oordena a missão humanitária, […]

Arquivo Publicado em 09/02/2011, às 10h46

None

As Farc prometem libertar nesta quarta-feira (9) na cidade colombiana de Villavicencio o primeiro de cinco sequestrados pelo grupo. Dois helicópteros emprestados pelo Brasil participam da operação.


O primeiro resgatado será o vereador de San José del Guaviare Marcos Vaquero, refém desde junho de 2009.


O Comitê Internacional da Cruz Vermelha oordena a missão humanitária, liderada pela ex-senadora colombiana Piedad Córdoba.


Ainda não se sabia em que horário ocorreria a operação, que dependerá das condições meteorológicas.


Olga Lucía Tao, mulher de Vaquero, já está em Villavicencio com os dois filhos do casal. Ela disse aos jornalistas que está ansiosa à espera de ver o marido finalmente livre.


As operações militares na região estão suspensas, como preveem os protocolos de segurança estipulados entre a Cruz Vermelha e o Ministério da Defesa.


A operação continuará na sexta-feira, quando serão recebidos na cidade de Florencia, capital do Caquetá, o vereador Armando Acuña e o militar Henrique Marinho López Martinez.


A conclusão deve ser no domingo com a chegada a Ibagué, capital do estado de Tolima (centro), do major da Polícia Guillermo Solórzano e do cabo do Exército Salín Sanmiguel.


O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, vai receber os cinco libertados no mesmo domingo em Bogotá no palácio presidencial. Na terça-feira, ele fez novo apelo à guerrilha que solte todos os reféns e renuncie ao terrorismo.


As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) haviam anunciado em 8 de dezembro a libertação incondicional dos cinco reféns, sequestrados entre 2007 e 2010, como um “gesto de humanidade” em desagravo a Córdoba, destituída de seu cargo de senadora por supostas ligações com a guerrilha.


Com a sua libertação serão 16 os policiais e militares “passíveis de troca”, que as Farc pretendem trocar por guerrilheiros presos na Colômbia e nos Estados Unidos, segundo anunciou a própria Córdoba.

Jornal Midiamax