Geral

Estudantes das escolas estaduais ainda não receberam merenda e usam sobras de 2010

Para garantir que todos os alunos tenham o que comer, as Escolas Estaduais estão se desdobrando com reservas de comida feitas durante o ano passado. O Governo do Estado alega 'dificuldades na licitação'.

Arquivo Publicado em 23/03/2011, às 13h20

None
277747659.jpg

Para garantir que todos os alunos tenham o que comer, as Escolas Estaduais estão se desdobrando com reservas de comida feitas durante o ano passado. O Governo do Estado alega ‘dificuldades na licitação’.

Crianças e adolescentes de Mato Grosso do Sul correm o risco de ficar sem a merenda escolar em toda rede pública estadual. Para garantir que todos os alunos tenham o que comer, as Escolas Estaduais estão se desdobrando com reservas de comida feitas durante o ano passado.

Embora as aulas tenham começado em 7 de fevereiro, o Governo do Estado admite que ainda tem problemas na licitação para compra de alimentos neste ano.

Nas unidades educacionais onde houve poucas sobras de 2010, os gestores já se preparam para deixar os estudantes sem merenda. Poucos querem comentar a situação alegando medo de represálias. Em Campo Grande, uma das escolas com a situação mais tranquila garantiu os alimentos guardando desde o ano passado.

Até agora a Escola Amando de Oliveira ainda não recebeu nenhuma contribuição da Secretaria de Educação do Estado e nem do Governo Federal para garantir a merenda os alunos no início de 2011. O diretor da escola, Eder Gomes Souza, explica que durante todo o ano eles fazem uma reserva dos alimentos que recebem para que sobre e seja utilizado no começo do outro ano. “Nós nos prevenimos para não faltar”, destaca.

Nas escolas os atrasos no começo de cada ano são conhecidos. Ainda não está faltando merenda para os alunos da escola, porém o diretor diz que não sabe quando vai chegar a remessa de alimentos.

Fontes do Governo do Estado dizem que o problema nesse ano foi causado por uma suposta nova exigência no processo de compra. Uma licitação através de tomadas de preço passou a ser exigida, e isto estaria dificultando a compra dos alimentos. Na Secretaria de Educação, servidores que não se identificam confirmam que algumas escolas têm reservas e terão merenda escolar até que a licitação termine, porém admite que outras sofrerão com a falta de merenda por um tempo.

Jornal Midiamax