Geral

Elogios e provocações antecedem duelo entre Coritiba e Palmeiras

Nos bastidores do confronto entre Coritiba e Palmeiras pelas quartas de final da Copa do Brasil, chama atenção o clima que se alterna entre respeito e provocação entre os adversários. Apesar de sempre ressaltar a qualidade do rival, treinadores e jogadores dos dois times não perdem oportunidades de fazer comentários jocosos, apimentando um pouco mais […]

Arquivo Publicado em 03/05/2011, às 23h17

None

Nos bastidores do confronto entre Coritiba e Palmeiras pelas quartas de final da Copa do Brasil, chama atenção o clima que se alterna entre respeito e provocação entre os adversários. Apesar de sempre ressaltar a qualidade do rival, treinadores e jogadores dos dois times não perdem oportunidades de fazer comentários jocosos, apimentando um pouco mais o aguardado confronto.


As primeiras provocações partiram do técnico Felipão, que desdenhou o recorde de 23 vitórias consecutivas obtido pelo Coxa desqualificando o nível dos adversários batidos pela equipe paranaense.


Discurso repetido pelo volante palmeirense Marcos Assunção, que apesar de elogiar o adversário da próxima quinta-feira, às 19h30m, também questiona a força das equipes derrotadas pelo Coritiba.


– Nunca tinha visto uma sequência dessas, são muitos jogos. Não sei contra quem eles jogaram, de repente o Campeonato Paranaense não tem uma expressão como a do futebol paulista. Não estou tirando o mérito, mas o Palmeiras também tem um grande time. Assim como estamos preocupados com os jogadores deles, eles também estarão preocupados com os nossos.


A resposta do Coritiba veio bem ao estilo mineiro do técnico Marcelo Oliveira. Questionado sobre as declarações do adversário, o treinador afirmou que não pretende polemizar sobre o assunto, mas deu uma cutucada no rival.


– Não quero entrar nesta seara, não faz parte dos meus princípios. Mas nós jogamos com os adversários que tínhamos para jogar. Não dava para jogar com a Linense, com o Noroeste, com o Bragantino ou com o Paulista.


Brincadeiras à parte, os dois lados do confronto acreditam em um jogo difícil e disputado no Couto Pereira. Como afirma o atacante Anderson Aquino, única novidade na equipe titular do Coxa, que assume o posto do lesionado Marcos Aurélio.


– Acho que vai ser o jogo mais difícil do ano para a gente. O Palmeiras é o time de mais tradição que a gente vai enfrenta. É um grande clássico do futebol, mas nós estamos motivados sempre. Até pelos jogadores que tem do lado de lá, acho que será um grande jogo.

Jornal Midiamax