A comunidade quilombola Tia Eva, em Campo Grande, receberá duas opções de chapas de votação para lideranças comunitárias no próximo domingo (7). Pela primeira vez na história do local, a população terá duas alternativas.

Serão 415 moradores votantes em uma região onde falta a freqüência de ônibus e a distância do centro da cidade de cerca de 12 quilômetros. Sem nenhuma liderança política atuante na área, a votação para o representante se torna ainda mais importante.

As chapas concorrentes têm propostas polêmicas como a agilização do processo de demarcação, titulação e ampliação do território junto ao Incra e a viabilização de isenção de impostos das terras remanescentes do quilombo.

“Desde os anos 80 nós temos votação. Meu pai, Michel, assumiu por dois mandatos de três anos em chapa única. Depois a Lúcia, candidata da chapa 1, assumiu o cargo e agora montei a minha chapa, para a comunidade ter mais uma opção”, disse o presidente da chapa 2 Eurides Antônio Silva, o Bolinho.

Para a candidata da chapa 1, Lúcia da Silva Araujo Almeida, há urgência da comunidade em capacitar as mulheres com curso de bordado, para o projeto de costura.

Desacreditados

A dona de casa Guilhermina Martins não sabe ainda em quem votar. “As propostas são muitas e eu não acredito que vá mudar alguma coisa. Estou aqui há 12 anos e está tudo do mesmo jeito”, reclama.