Geral

Dom Vitório lança Campanha da Fraternidade e critica “lucro em detrimento dos pobres”

O lema deste ano é “A criação geme em dores de parto”, e ganha contexto com acontecimentos recentes, como o excesso de chuvas em Mato Grosso do Sul ou o terremoto no Japão. Cerca de 4.500 fiéis acompanharam o lançamento oficial.

Arquivo Publicado em 13/03/2011, às 20h44

None
1562278337.jpg

O lema deste ano é “A criação geme em dores de parto”, e ganha contexto com acontecimentos recentes, como o excesso de chuvas em Mato Grosso do Sul ou o terremoto no Japão. Cerca de 4.500 fiéis acompanharam o lançamento oficial.

Criticando duramente as organizações que “buscam o lucro em detrimento dos mais pobres”, o Arcebispo Metropolitano de Campo Grande, Dom Vitório Pavanello, abriu oficialmente a Campanha da Fraternidade 2011 neste sábado (13). Ele falou sobre os problemas ambientais causados pelo homem para um público de 4.500 fiéis e lembrou a importância do ambiente.

A Igreja Católica quer chamar a atenção para os efeitos do problemas ambientais com o tema “Fraternidade e a Vida no Planeta”. O lema deste ano é “A criação geme em dores de parto” (Rm 8:22), e ganha contexto com os últimos acontecimentos, como o excesso de chuvas em MS ou o terremoto no Japão.

A conscientização sobre o aquecimento global e a busca de ações que preservem a vida no planeta estão entre os principais objetivos da campanha, que está em sua 47ª edição. “É importante alertar para questões complexas de problemas com o meio ambiente como também somos contra todas as organizações que buscam o lucro em detrimento dos mais pobres”, disse Pavanello.

Com 124 páginas e dividido em quatro partes, o texto-base, carro-chefe da CF, apresenta o conteúdo a ser discutido ao longo da Campanha. Na primeira, faz uma análise da realidade procurando estabelecer as causas do aquecimento global e das mudanças climáticas.

Toca na relação que há entre o aquecimento global e as atividades humanas; questiona o modelo energético do país; denuncia o desmatamento e as queimadas, responsáveis por 50% da emissão de gases de efeito estufa no Brasil; interpela o agronegócio e o atual modelo de desenvolvimento.

Os católicos acharam pertinente a escolha do tema. “Importante a conscientização, temos que cuidar do planeta que Deus criou”, disse a estudante Adriana Rodrigues Carvalho, 17.

A Campanha também faz alerta em relação à ameaça da biodiversidade, risco da escassez de água e aponta atitudes que podem ser tomadas por pessoas, comunidades, governo, empresas e instituições.

Jornal Midiamax