Geral

Divisão e desconfiança devem marcar reunião do “Movimento PT”

Senador Delcídio Amaral deve ser questionado sobre o fraco desempenho do partido nas filiações eleitorais

Arquivo Publicado em 21/10/2011, às 15h41

None

Senador Delcídio Amaral deve ser questionado sobre o fraco desempenho do partido nas filiações eleitorais

A tradição de não se afinar em discussõesinternas do PT játeria contaminadoa corrente ‘Movimento PT’,  liderada pelo senador Delcídio do Amaral.

Na reunião marcada para hoje à tarde,que tem com uma das pautas a possibilidade de apontar nomes para a convenção do partido para as eleições municipais 2012,já haveria a discordância, mesmo antes de seu início, em relação a posição do senador de admitir o apoio a candidato de fora do arco de alianças do PT.


A professora Elza Jorge, ligada ao deputado Biffi, defende, no outro extremo, que o PT tenha candidato próprio, com o objetivo de fortalecer a legenda. Essa corrente considera “ingenuidade ou erro estratégico”, com reflexo em 2014, afetando até a própria pretensão de Delcídio de disputar o governo, cogitar apoiar candidaturas de adversários políticos históricos. Indiretamente, essa corrente reage a rumores de que o senador Delcídio admitiria reservadamente o apoio ao pré-candidato do PSDB, Deputado Federal Reinaldo Azambuja.


A Corrente“Movimento PT” foi formadameio às pressas no final do ano passado, reunindo três pequenas alas do PT: uma, liderada pelo DeputadoAntonio Biffi, outra, pelo ex-deputado Amarildo Cruz e uma última liderada também pelo ex-deputado Pedro Teruel.


Até o dia de hoje, a correntenão havia se reunido nem mesmo paraconstituir sua coordenação, o que deverá ser o primeiro assunto da pauta da reunião de hoje garantiu o Deputado Federal Antonio Carlos Biffi, que deve ser indicado para coordenador.


O comando do grupo ligado ao senador Delcídioé composto ainda provisoriamentepelos sub-grupos que a compõem, com pelo menos 4 vertentes: Agamenon Silva (ligadoao ex- deputado Amarildo Cruz), MarquinhosGarcia (ligado ao Senador Delcídio Amaral),  professora Elza Jorge (ligada ao deputado Biffi) e Alex Santos (afinado com o ex- deputado Pedro Teruel).


Mas apesar da reunião ter como pauta principal a escolha do coordenador, a sucessão na Capital e nos municípios do interior deve prevalecer no encontro. A orientação é de que as executivas municipais deveriam buscar alianças entre os partidos aliados ou do próprio PT na cabeça de chapa. Ocorre que a suspeita e desconfiança entreos companheiros da corrente de suposto “conchavo sendo preparado a toque de caixa, para formação de um chapão, envolvendo o Senador Delcídio e o governador Puccinelli para 2014, causa inquietação tendo em vista a movimentação no interior levada a efeito pelo senador Delcídio, que teria, segundo petista que pediu anonimato, incentivado filiações que contrariariam os interesses do PT.


Os indíciosestão nas palavras do próprio governadore nunca desmentido pelo Senador, comosua entrevista logo após o fim do prazo de filiações eleitorais ao Bom dia MS, da TV Morena. Na ocasião, o governador André Puccinelli insinuou o “acordão”, até o momento não desmentido pelo Senador Delcídio. A entrevista e insinuações constantes têm levado a própria corrente a suspeitar do acordo com André Puccinelli.


Outro fator que tem causado desconfiança sobre as posições de Delcídio Amaral e preocupado os integrantes do “Movimento PT” é o fraco desempenho do partido nas filiações.


“Se fizermos uma análise nua e cruade filiações após ofim do prazo eleitoral, percebe-se queo partido que mais se fortaleceufoi o PMDB, inclusive com o retorno do Giroto,ao contrário do nosso PT que só perdeu vereadores e inclusive prefeitos (um deles foi o de Dois Irmãos do Buriti que migrou para o PMDB). Vou colocara questão em pauta na reunião de logo mais, olhandonos olhos do Senador Delcídio Amaral”, garantiu o petista que pediu anonimato.


A reunião está prevista para às 14h na sede da Fetems (Federação dos Trabalhadores da Educação de Mato Grosso do Sul).

Jornal Midiamax