Geral

Discurso de André indica fim da operação pró-Marisa no Tribunal de Contas de MS

Após ser apontado até por correligionários como principal articulador do nome de Marisa para o TCE-MS, governador surpreendeu defendendo agora indicação de um deputado para colocar Youssif na Assembleia.

Arquivo Publicado em 13/05/2011, às 14h42

None

Após ser apontado até por correligionários como principal articulador do nome de Marisa para o TCE-MS, governador surpreendeu defendendo agora indicação de um deputado para colocar Youssif na Assembleia.

O governador André Puccinelli (PMDB), apontado até por correligionários como maior articulador da ida da senadora Marisa Serrano (PSDB) para o Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul (TCE-MS), surpreendeu dizendo agora que vai “se meter na disputa” para garantir que o suplente de deputado Youssif Domingos (PMDB) assuma uma cadeira na Assembleia.


“Por enquanto ainda não me meti, mas vou me meter, é lógico. Porque o ônus ou o bônus da indicação vai ser meu. Já me dão esse ônus ou bônus”, afirmou o governador na manhã desta sexta-feira (13) durante evento no Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande.


André surpreendeu o público com a declaração já que era fato que a senadora Marisa Serrano assumiria o lugar deixado pela conselheira Celina Jallad, que faleceu em março, no TCE.


A eventual ida de Marisa ao TCE facilitaria as articulações políticas de André para colocar alguém da base aliada e que comungue da mesma hóstia dada por ele. Por outro lado, quem assumiria a vaga de Marisa no Senado e o suplente Antônio Russo Neto, conhecido por quebrar um frigorifico e deixar vários produtores rurais em dificuldade financeira, sem receber.


Marisa seria uma concorrente forte para a disputa para a prefeitura de Campo Grande. Lembrando que nas eleições de 2004 quando o atual prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) conseguiu se eleger prefeito com a ajuda da musculatura política de Marisa.


O governador disse que esperou o imbróglio de com quem ficaria a vaga de suplente com a coligação ou com o partido. O Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiram que a vaga seria para a coligação. “Eu quero o Youssif na Assembleia”, revelou o governador e disse ainda que se o STF decidisse que a vaga era do partido e teria que “chamar alguém do PMDB”.


Se a “interferência” de André for confirmada, o deputado Antônio Carlos Arroyo (PR) ficaria com a vaga deixada por Celina no TCE.

Jornal Midiamax