Geral

Deputado da base governista defende que reserva financeira de MS seja ‘conhecida’

O deputado estadual Marquinhos Trad (PMDB) disse não se recordar do valor que MS possui atualmente de reservas, mas defendeu que estes sejam conhecidos. “Se existem reservas, esse dinheiro é do estado e não do governo”, declarou. O governador André Puccinelli (PMDB) não informou qual o tamanho das reservas que afirmou ter nos cofres de […]

Arquivo Publicado em 15/03/2011, às 16h06

None

O deputado estadual Marquinhos Trad (PMDB) disse não se recordar do valor que MS possui atualmente de reservas, mas defendeu que estes sejam conhecidos. “Se existem reservas, esse dinheiro é do estado e não do governo”, declarou.


O governador André Puccinelli (PMDB) não informou qual o tamanho das reservas que afirmou ter nos cofres de Mato Grosso do Sul para enfrentar situações de emergência como os estragos causados pelas chuvas. Em entrevista coletiva no dia 9, ele disse que “quem quiser saber isso, tem que procurar nos balancetes mensais enviados para o Tribunal de Contas”.


Puccinelli reclamou da quantia anunciada pelo Governo Federal para MS. Trad diz que também acha pouco o valor de R$ 5 milhões destinado pelo Ministério da Integração Nacional ao governo do Estado para atender as famílias desabrigadas e desalojadas em Mato Grosso do Sul.


“A população não pode pagar o preço pelo distanciamento entre siglas partidárias”, disse, sugerindo que agora a bancada federal de MS é quem deve fazer articulações para garantir mais recursos ao Estado.


Bilhões rendendo juros


Em 29 de outubro de 2009, o então secretário estadual de Obras, Edson Giroto, havia afirmado que o governo mantinha R$ 2,4 bilhões em caixa e rendendo juros. O dinheiro teria sido economizado nos dois primeiros anos de governo por meio de cortes nos gastos públicos e reavaliação de programas. Giroto respondia a acusações de que o pacote de obras do MS Forte era uma “carta de ficção”.


Puccinelli fazia viagem oficial para a China quando a informação foi divulgada pelo secretário. Contudo, ao retornar, o governador desmentiu o braço-direito: “O Giroto deveria estar com a cabeça no mundo da lua quando disse isso. Que bom seria se isso fosse verdade, mas infelizmente não é realidade”, disse à imprensa.


Em novembro daquele ano, Puccinelli manteve o mistério sobre os valores em reserva, dizendo apenas que seria aplicado em obras, principalmente no programa MS Forte.

Jornal Midiamax