Geral

Depois de dizer que ‘não liga’ para críticas, Kleber ataca Felipão

Algumas horas depois de ter rebatido no Twitter, de forma sutil, as críticas de Luiz Felipe Scolari em respostas a alguns torcedores, o atacante Kleber foi mais contundente à noite e deixou clara sua insatisfação com o treinador do Palmeiras. O Gladiador desabafou e não perdoou a declaração do comandante alviverde depois da partida contra […]

Arquivo Publicado em 11/03/2011, às 11h47

None

Algumas horas depois de ter rebatido no Twitter, de forma sutil, as críticas de Luiz Felipe Scolari em respostas a alguns torcedores, o atacante Kleber foi mais contundente à noite e deixou clara sua insatisfação com o treinador do Palmeiras. O Gladiador desabafou e não perdoou a declaração do comandante alviverde depois da partida contra o Noroeste, na quarta-feira, quando Felipão, mandando um claro recado a Kleber, disse que jogadores machucados precisavam ter mais cuidado antes de pensar em curtir o carnaval. Enquanto se recuperava de um problema na coxa direita, o atacante acompanhou o desfile das escolas de samba em São Paulo.


Lembrando o período em que Valdivia ficou parado, e ele assumiu sozinho a responsabilidade de comandar o ataque do Palmeiras, Kleber reprovou a posição de Felipão e disse que se sentiu desprotegido pelo técnico.


– O Mago é muito meu amigo, mas ficou quase dois meses parado, e eu estava em campo. Jogando sozinho lá na frente. Graças a Deus, voltou para ajudar a gente, mas fiquei dois meses segurando a bronca e não vi ele (Felipão) elogiar isso. Pelo contrário. Mas tudo bem – escreveu o Gladiador.


Para justificar a reclamação, Kleber lembrou dos casos em que Felipão criticou os meias Valdivia e Lincoln. O Gladiador insinuou que o técnico não se incomoda em reclamar de seus jogadores publicamente. Deixou claro também que não gostou de ver o mesmo Felipão elogiando técnicos rivais, como Tite, do Corinthians, quando o time alvinegro foi eliminado da Libertadores, e Adilson Batista, do Santos, quando este estava prestes a ser demitido.


– Ele já falou mal do time dizendo que era time de solteiro contra casado, falou mal do Lincoln, mal do Valdivia e agora me criticou também. Nunca o vi proteger a gente, mas treinador de time rival… O Palmeiras é maior do que tudo e todos, só não dá mais para agüentar isso calado – encerrou o jogador.


O agente de Kleber, Giuseppe Dioguardi, também se manifestou no Twitter e disse que não acha estranha a reação do jogador. Para o empresário, estranho seria se o atacante tivesse ficado calado.


Na rusga entre Felipão e Kléber, a diretoria, se tiver de tomar um partido, deverá ficar com o atacante. Pessoas ligadas ao presidente Arnaldo Tirone e ao vice Roberto Frizzo não escondem a insatisfação com o alto salário do treinador (R$ 700 mil) e suas constantes reclamações de que é preciso contratar reforços. A conclusão é de que a reclamação de Felipão demonstra, no mínimo, um comportamento de incoerência.


Dos R$ 700 mil mensais de Felipão, só R$ 50 mil são bancados por um patrocinador, a Unimed. O restante fica a cargo do Palmeiras. O contrato foi feito pela diretoria anterior, e os atuais dirigentes do clube tentam, desesperadamente, baixar a folha salarial do departamento de futebol – e nenhuma cifra incomoda mais que a paga ao técnico.

Jornal Midiamax