Geral

Corumbá atinge 96% da meta de vacinação contra paralisia infantil

Corumbá imunizou 8.908 crianças neste sábado, 18 de junho, durante a primeira etapa de vacinação contra a Poliomielite, o que significa 96,27% do total previsto pela Secretaria Municipal de Saúde. Em Corumbá, a meta é imunizar 9.253 mil crianças menores de cinco anos contra a paralisia infantil. Os pais que não levaram os filhos para […]

Arquivo Publicado em 19/06/2011, às 13h25

None

Corumbá imunizou 8.908 crianças neste sábado, 18 de junho, durante a primeira etapa de vacinação contra a Poliomielite, o que significa 96,27% do total previsto pela Secretaria Municipal de Saúde. Em Corumbá, a meta é imunizar 9.253 mil crianças menores de cinco anos contra a paralisia infantil.

Os pais que não levaram os filhos para vacinar têm até a próxima quarta-feira, dia 22, para procurar os postos que oferecem as doses da Sabin. “Aqueles que por algum motivo não conseguiram levar as crianças para vacinar, podem procurar uma das unidades de saúde para receber a dose até quarta-feira. A relação de postos para a vacinação segue praticamente a mesma, com exceção do Posto de Saúde Dr. Humberto Pereira, no bairro Nossa Senhora de Fátima; Escola Fernando de Barros; Centro de Saúde da Mulher e da Unidade de Saúde do Kadwéus”, alertou Wangley Bento, coordenador do Núcleo de Imunização.

A segunda fase da vacinação começa no dia 13 de agosto, os pais devem levar as crianças novamente aos postos de vacinação, para que elas recebam mais duas gotinhas contra a pólio.

Poliomielite

A poliomielite é uma doença infectocontagiosa grave. Na maioria das vezes, a criança não morre quando é infectada, mas adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia, principalmente nos membros inferiores. A doença é causada e transmitida por um vírus (o poliovírus) e a infecção se dá principalmente por via oral.

O último caso de poliomielite no Brasil foi registrado em 1989, na Paraíba. Em 1994, o país recebeu da Organização Mundial da Saúde (OMS) o certificado de eliminação da doença. Porém, é importante continuar vacinando as crianças porque o vírus da paralisia infantil ainda circula em outros países. De acordo com a OMS, 26 países ainda registram casos da doença e quatro deles são endêmicos, ou seja, possuem transmissão constante: Afeganistão, Índia, Nigéria e Paquistão. Com informações do Ministério da Saúde.

Jornal Midiamax