Geral

Conflitos em Roma deixam 135 feridos

Um dos conflitos mais graves das últimas décadas em Roma, ocorrido ontem (15) durante a manifestação de indignados, deixou 135 feridos, desses, 105 são policiais. Além disso, os protestos contra as grandes empresas e o setor financeiro provocaram prejuízos superiores a 1 milhão de euros. Entre os 30 manifestantes feridos, dois ficaram com dedos amputados […]

Arquivo Publicado em 16/10/2011, às 20h48

None

Um dos conflitos mais graves das últimas décadas em Roma, ocorrido ontem (15) durante a manifestação de indignados, deixou 135 feridos, desses, 105 são policiais. Além disso, os protestos contra as grandes empresas e o setor financeiro provocaram prejuízos superiores a 1 milhão de euros.

Entre os 30 manifestantes feridos, dois ficaram com dedos amputados devido à explosão de bombas fumegantes. “Devemos agir com a firmeza adequada perante esta brutalidade”, declarou o presidente da Câmara de Roma, Gianni Alemanno, que visitou a zona da capital mais afetada pela violência, na Praça São João de Latrão.

Alemanno disse que a estimativa dos prejuízos em propriedades públicas supera 1 milhão de euros, pois ainda falta avaliar os estragos em propriedades privadas. Ele também adiantou que a cidade vai pedir a ajuda do Estado para compensar as pessoas lesadas durante as manifestações.

O presidente da Câmara de Roma disse que a cidade vai levar a tribunal 12 manifestantes detidos pela polícia. No entanto, outras prisões que poderiam decorrer após a análise de vídeos feitos pelas autoridades não serão efetuadas.

Horas antes, o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, tinha prometido punir os manifestantes que causaram os distúrbios e considerou a violência registrada no sábado como “um sinal preocupante”.

Alguns dos manifestantes incendiaram veículos e um depósito do Exército no centro da cidade, além de terem quebrado vidros e vitrines de bancos e lojas. Os confrontos na zona da Praça de São João de Latrão duraram cerca de quatro horas e a polícia usou gás lacrimogêneo e canhões de água para conter os manifestantes.

Roma não tinha problemas de violência desta dimensão desde os confrontos entre forças do estado e militantes políticos nos anos de 1970 e 1980.

Jornal Midiamax