Geral

Comemorando 30 anos, grupo Ponto de Partida faz apresentações em Corumbá

Neste sábado e domingo, Corumbá recebe uma grande festa do palco teatral brasileiro. É a comemoração do aniversário de 30 anos do grupo mineiro de teatro Ponto de Partida, que traz dois espetáculos à cidade: “Ciganos” e “Os Gnomos contam a história do Gato Malhado e da Andorinha Sinhá”. “Ciganos, da obra de Bartolomeu Campos […]

Arquivo Publicado em 14/05/2011, às 13h33

None

Neste sábado e domingo, Corumbá recebe uma grande festa do palco teatral brasileiro. É a comemoração do aniversário de 30 anos do grupo mineiro de teatro Ponto de Partida, que traz dois espetáculos à cidade: “Ciganos” e “Os Gnomos contam a história do Gato Malhado e da Andorinha Sinhá”.

“Ciganos, da obra de Bartolomeu Campos de Queirós, autor mineiro, retrata a vida pacata de uma cidade de Minas Gerias e de repente, chegam os ciganos, e encantam o personagem principal. Essa peça trabalha com um teatro musical, com inspirações de músicas romenas e russas. Já a segunda peça, a Andorinha Sinhá, que é de autoria de Jorge Amado, conta o amor de um gato por uma andorinha. É uma apresentação que envolve muita magia”, contou ao Diário, Fátima Jorge, produtora do grupo teatral Ponto de Partida.

O grupo atualmente conta com 21 integrantes, que em 2011, em comemoração ao aniversário do grupo, irão percorrer o país apresentando as duas peças. “Com o apoio da empresa Vale, patrocínio da Lei Rouanet, o Ponto de Partida está comemorando 30 anos de existência. Para a comemoração, o grupo está percorrendo o Brasil apresentando o projeto cultural ‘Expedições’. A primeira apresentação deste projeto foi em Minas Gerais, depois seguimos para o Rio de Janeiro, Vitória, agora estamos aqui em Corumbá e a próxima parada será nas cidades do Norte”, antecipou Fátima.

O Ponto de Partida já viajou por grandes cidades do exterior, apresentando o trabalho do grupo. “Já passou por Portugal, França, Alemanha, Bélgica, Uruguai, África e Angola. Todos os países foram inesquecíveis para o grupo, deixamos nossa marca por onde passamos e recebemos uma boa receptividade”, contou a produtora.

Além do grupo de teatro, durante os 30 anos de existência, o Ponto de Partida desenvolveu atividades sociais, com o público juvenil de Minas Gerais. Atualmente é responsável direto pela formação ou o trabalho de 251 pessoas divididas em seus vários projetos, entre eles a Bituca: Universidade de Música Popular e os Meninos de Araçuaí. O projeto “Expedições” passará por doze cidades, em sete estados brasileiros – Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Pará e Sergipe.

Apresentações

Neste sábado, 14 de maio, será apresentada a peça “Ciganos”, que é uma montagem fincada em dois pilares: a força poética e o humor do texto de Bartolomeu Campos de Queirós, que tem a característica mágica dos clássicos e conta a história de um menino, ao mesmo tempo em que reconta capítulos da infância de todos nós. O fascínio e o mistério que se misturam na cultura milenar dos povos ciganos invadem o espetáculo com seus rituais, música e alegria.

Já no domingo, 15, será a apresentação da peça “Os Gnomos…” que traz no enredo o texto do escritor Jorge Amado que ofereceu o escrito ao seu filho por ocasião de seu primeiro aniversário e conta a história de amor de um gato por uma andorinha e todas as consequências que este amor desencadeia.

As peças serão apresentadas a partir das 19 horas, no anfiteatro Salomão Baruki, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, localizado na rua Poconé, no bairro Universitário.

Os ingressos para os espetáculos foram trocados no Moinho Cultural Sul-Americano, por um livro de histórias novo ou em bom estado para incentivar a leitura. “À princípio, os livros arrecadados pelo espetáculo serão destinados à biblioteca do Moinho Cultural, posteriormente, há a intenção de doar alguns exemplares para as escolas da área ribeirinha. Por todas as cidades que passamos essa integração cultural é realizada, é uma forma de promover a inclusão cultural no local por onde passamos”, concluiu Fátima.

Jornal Midiamax