Geral

Calypso faz festa de aniversário para 35 mil pessoas em praça de Corumbá

Já era pouco mais das dez horas da noite da quarta-feira, 21 de setembro, quando a banda Calypso subiu ao palco montado na praça Generoso Ponce para o show de aniversário dos 233 anos de Corumbá. Um público estimado em 35 mil pessoas, segundo informações da Guarda Municipal, aguardava ansioso os artistas que se apresentaram […]

Arquivo Publicado em 22/09/2011, às 22h04

None

Já era pouco mais das dez horas da noite da quarta-feira, 21 de setembro, quando a banda Calypso subiu ao palco montado na praça Generoso Ponce para o show de aniversário dos 233 anos de Corumbá. Um público estimado em 35 mil pessoas, segundo informações da Guarda Municipal, aguardava ansioso os artistas que se apresentaram pela primeira vez na cidade.


Antes de subir ao palco, Joelma e Chimbinha, líderes da banda, deram entrevistas e atenderam aos fãs corumbaenses. “A gente fica muito honrado por ter sido convidado para fazer o show neste dia que é tão especial para todos dessa cidade. Muito obrigada pelo carinho com que nos receberam aqui e parabéns pela cidade linda; pequena, mas toda charmosa”, disse Joelma ao afirmar que durante o voo que os trouxe até a cidade pôde perceber aspectos da região.


Franciele Luis Cavalcante, uma das pessoas contempladas com a promoção feita pela Rádio FM Cidade em parceria com o Diário Corumbaense realizou o sonho de conhecer os artistas que, segundo ela, trouxeram um novo significado a sua vida depois que a cantora Joelma lhe apareceu em um sonho num momento difícil da vida da fã.


“Foi uma emoção e tanto, inexplicável mesmo, esse dia vai ficar marcado na minha vida. Aquele sonho que eu tive se tornar realidade, eu poder pegar, tocar nela. Eu disse que eu a amo e ela me desejou sucesso e sorte na minha vida. Essas poucas palavras valem muito pra mim como valeram no sonho quando estava a ponto de fazer o pior comigo. Valeu a pena tudo o que fiz na promoção e hoje sou mais fã ainda”, disse a jovem.


Para Joelma a manifestação de fãs como Franciele reforçam a responsabilidade que o artista tem com o seu público numa proporção que aumenta conforme a medida do sucesso.


“O mundo está muito mudado, muito violento, o artista tem que prestar muita atenção no modo de viver, dar exemplos. A gente tem essa missão, eu tenho essa opinião que nós temos que passar coisas boas, por isso a gente toma muito cuidado com o que colocamos nas nossas letras porque a música entra em lares de muitas famílias e eu sou do tipo de pessoa que lê muito a Bíblia e sei que a palavra tem muito poder, ela influencia muito na vida do ser humano, tanto para trazer o bem como para trazer o mal. Então, temos que tomar um cuidado redobrado porque acredito que, quanto mais degrau você sobe, mais público que você alcança, mais responsabilidade você tem que ter”, avaliou.


O show


Uma queima de fogos anunciou o início do show e o público, que ia desde crianças até idosos e tomava conta de cada canto da praça, foi ao delírio quando os primeiros acordes da mistura de ritmos que caracteriza a banda Calypso foram tocados.


A voz marcante de Joelma, que apareceu num traje branco, aliada a efeitos de luzes e coreografias de corpo de bailarinos, completou a apresentação que durou cerca de duas horas. Nesse intervalo, a cantora fez quatro trocas de figurino.


Logo nos primeiros momentos do show, Joelma conversou com o público, fez agradecimentos aos promotores do evento e comandou a multidão para cantar parabéns a Corumbá, claro, no ritmo que a banda consagrou.


Fazendo coerência com o que declarou na entrevista antes de subir ao palco, a cantora fez uma pausa no agito e proporcionou um momento de louvor ao cantar uma música que exaltou a superação através da fé em Jesus Cristo.


Num momento mais romântico da noite, Joelma apareceu num longo vestido negro e com uma trança. Em tom intimista, cantou com o coro do público. Depois, ela reapareceu no palco mostrando o carimbó, ritmo do Pará, estado de origem da banda.


Pra fechar a apresentação no mesmo ritmo com que começou, ela voltou ao palco com um macacão cinza e cantou grandes sucessos como Acelerou; Xonou, Xonou e Chá de Maracujá. Nessa parte do show, ela convidou dois rapazes e duas garotas da plateia para dançarem no palco com os bailarinos, promovendo uma disputa de dança. Foi nesse momento, que Fernando Antônio da Silva, um dos mais antigos fãs da banda em Corumbá, realizou o sonho de dançar no palco com os artistas. Ele aprendeu a dançar o ritmo apenas assistindo a DVD’s de shows.


A atendente Jurema Conceição foi ao show na companhia das primas e afirmou que a apresentação superou suas expectativas. “Poder ver pertinho assim é uma energia diferente. Realmente, valeu muito a pena ter esperado. Tudo foi lindo: as músicas, os efeitos, ela, a Joelma. A cidade merecia algo assim”, disse.


Mais de 200 homens garantiram a segurança do evento e nenhum incidente grave foi registrado.

Jornal Midiamax