Geral

Após confrontos que mataram 5, manifestantes erguem barricadas

Manifestantes contrários ao presidente Hosni Mubarak no Egito começaram a erguer barricadas no centro da capital, Cairo, na manhã desta quinta-feira, reforçando sua posições após os confrontos com manifestantes pró-Mubarak que mataram ao menos cinco pessoas. Os confrontos violentos na quarta-feira e na madrugada desta quinta, na Praça Tahrir, no centro do Cairo, entre milhares […]

Arquivo Publicado em 03/02/2011, às 12h39

None

Manifestantes contrários ao presidente Hosni Mubarak no Egito começaram a erguer barricadas no centro da capital, Cairo, na manhã desta quinta-feira, reforçando sua posições após os confrontos com manifestantes pró-Mubarak que mataram ao menos cinco pessoas.


Os confrontos violentos na quarta-feira e na madrugada desta quinta, na Praça Tahrir, no centro do Cairo, entre milhares de manifestantes pró e contra Mubarak, também deixaram 836 feridos, segundo informações do Ministério da Saúde do Egito.


Os choques que eclodiram na quarta-feira foram os mais violentos desde o início dos protestos, no dia 25 de janeiro.


Segundo um dos enviados da BBC ao Cairo, Ian Pannell, manifestantes arremessaram coquetéis molotov durante a madrugada e soldados deram tiros ao alto para tentar conter a multidão. Manifestantes também aetaram fogo em diversos pontos da praça Tahrir.


”A maior parte dos feridos foi vítima de pedras arremessadas e de ataques com barras de ferro e de porretes. Na madrugada houve tiros”, afirmou o ministro da Saúde do país, Ahmed Samih Farid, em entrevista à TV egípcia. ”As vítimas levadas para os hospitais foram 836, das quais 86 permanecem hospitalizadas e cinco morreram”, acrescentou.


A ocupação da praça Tahrir na manhã por manifestantes prosseguiu nesta quinta-feira, mesmo com o toque de recolher decretado pelo governo.  O protesto, que até então vinha sendo realizado em clima relativamente pacífico, se tornou violento na quarta-feira, quando centenas de partidários de Mubarak chegaram ao local da manifestação, que era dominado pelos opositores.


Soldados do Exército se limitaram a dar tiros ao ar para tentar dispersar a multidão.  A ONU afirma que desde o início dos protestos, na semana passada, mais de 300 pessoas morreram.


”Provocação”

Um manifestante antigovernista, que se identificou apenas como Zaccaria, afirmou que os ativistas pró-Mubarak provocaram os conflitos.


”Eles começaram a atirar pedras contra nós. Então, alguns de nós começamos a jogar pedras de volta e a tentar forçá-los a abandonar a praça. Eles voltaram mais uma voz com cavalos, chicotes e com capangas”, afirmou.


Um general aposentado que conversou com soldados acampados na Praça Tahrir com seus tanques disse à BBC que o Exército já está perdendo a paciência e que deverá reagir com disparos contra manifestantes pró-governo que usarem armas de fogo.


Oposicionistas dizem que manifestantes pró-Mubarak estão sendo pagos para participar dos protestos e que as tropas que cercavam a praça permitiram seu acesso.


De acordo com um dos enviados da BBC ao Egito, Jon Leyne, entre os manifestantes pró-governo estão policiais à paisana ou desordeiros.


Em uma entrevista à BBC, a manifestante Mona Seif descreveu a atmosfera como sendo ”muito tensa”.


”A cada dois minutos nós ouvimos uma sequência de disparos e eles estão vindo de apenas um lado da praça, perto do Museu do Cairo. É lá que os confrontos estão ocorrendo, há mais de cinco horas, completamente sem parar”, afirmou.


Toque de recolher

Em pronunciamento à TV estatal do país, o recém-indicado vice-presidente do país, Omar Suleiman, disse ainda que só iniciará negociações com a oposição quando os protestos conta o governo terminarem. “(Para o) diálogo com as forças políticas da oposição é necessário que as demonstrações acabam e as ruas egípcias voltem ao normal”, disse ele.


Suleiman, que ocupava o posto de chefe da segurança, foi nomeado vice-presidente na semana passada, no que analistas dizem ter sido uma medida adotada pelo governo de Hosni Mubarak para apaziguar os ânimos dos opositores.  O vice-presidente pediu para que os manifestantes “voltem para suas casas e obedeçam ao toque de recolher”.


“Os participantes nas manifestações já transmitiram suas mensagens, tanto pedindo reformas ou dando apoio ao presidente Hosni Mubarak.”  Manifestantes pró-Mubarak invadiram a praça com cavalos


Os milhares de manifestantes anti-Mubarak afirmam que as declarações feitas pelo presidente na terça-feira, de que não tentará a reeleição mas seguirá no poder até setembro, seriam insuficientes. Eles pedem a saída imediata do presidente.

Jornal Midiamax