Geral

Alunos de escolas de assentamentos terão aulas até 20 de dezembro

As três escolas municipais dos assentamentos Taquaral; Paiolzinho e Tamarineiro já estão em pleno funcionamento e os 780 alunos não correm o risco de perder o ano letivo. As atividades escolares ficaram suspensas enquanto eram realizadas as obras de reparos nas estradas de acesso, danificadas por conta das chuvas do primeiro trimestre deste ano. O […]

Arquivo Publicado em 12/05/2011, às 01h43

None

As três escolas municipais dos assentamentos Taquaral; Paiolzinho e Tamarineiro já estão em pleno funcionamento e os 780 alunos não correm o risco de perder o ano letivo. As atividades escolares ficaram suspensas enquanto eram realizadas as obras de reparos nas estradas de acesso, danificadas por conta das chuvas do primeiro trimestre deste ano.


O retorno foi gradativo. A escola Monte Azul, no Taquaral teve as aulas iniciadas em 11 de abril; no Paiolzinho o ano letivo começou em 18 de abril. Por fim, na última segunda-feira, 09 de maio, os alunos da Eutrópia Gomez Pedroso começaram a estudar. Mesmo com tamanho atraso, o secretário Municipal de Educação, Hélio de Lima, um calendário especial foi montado incluindo aulas aos sábados; redução em uma semana das férias de junho, além de aulas programadas e atividades para serem desenvolvidas em casa.


“Iremos cumprir os 200 dias letivos previstos pelo Ministério da Educação”, afirmou o secretário a este Diário. O calendário letivo vai se estender até 20 de dezembro, antecipou. Os feriados que ao longo do ano acontecerem, não contarão com as famosas “pontes”, quando geralmente se emendam datas próximas a feriados para uma folga maior.


A suspensão do ano letivo nas escolas dos assentamentos rurais foi uma medida para garantir a segurança dos alunos, que são transportados por ônibus escolares. As estradas de acesso estavam sem condições de tráfego. Agora, o transporte escolar está sendo efetuado regularmente e a merenda escolar está em dia. “Os pais podem ficar tranquilos porque as crianças não vão perder o ano letivo”, complementou o secretário.

Jornal Midiamax