Geral

AGORA: Siqueira se diz ‘preparado’ para enfrentar a prisão

O ex-garagista Genival Siqueira, 61, disse há pouco que se preparou “fisicamente, mentalmente e espiritualmente” para se entregar à Justiça, na tarde desta terça-feira. Ele é acusado de vender carros de terceiros em sua empresa e não repassar o dinheiro aos donos. Acusado por estelionato e formação de quadrilha, Siqueira é tido como foragido desde […]

Arquivo Publicado em 25/01/2011, às 16h20

None

O ex-garagista Genival Siqueira, 61, disse há pouco que se preparou “fisicamente, mentalmente e espiritualmente” para se entregar à Justiça, na tarde desta terça-feira. Ele é acusado de vender carros de terceiros em sua empresa e não repassar o dinheiro aos donos. Acusado por estelionato e formação de quadrilha, Siqueira é tido como foragido desde novembro do ano passado.

Siqueira participa agora de uma audiência na 2ª Vara Criminal, no fórum de Campo Grande. O advogado dele, Alberto Gaspar Neto, já o avisou que de lá, seu cliente deve ir para a prisão.

O defensor já tentou revogar a prisão preventiva contra o ex-garagista no TJ-MS (Tribunal Justiça de Mato Grosso do Sul), mas não conseguiu. Ele moveu outro recurso no STJ (Superior Tribunal de Justiça), mas a corte ainda não examinou a questão.

Na entrada do fórum, Siqueira disse ao Midiamax que não teme represálias na prisão e que confia na “justiça de Deus”.

Ele era dono da empresa Siqueira Automóveis, já fechada, desde fevereiro de 1982. Os golpes teriam afetado ao menos 22 clientes seus durante os anos de 2007 e 2008. O rombo seria de algo em torno de R$ 300 mil.

Em março do ano passado, a Justiça mandou prender Siqueira, a mulher dele, duas filhas e uma irmã, todos já postos em liberdade.

Siqueira ficou detido por 12 dias e conquistou a liberdade por meio de liminar, mas o MPE (Ministério Público Estadual) recorreu da decisão uma nova prisão fora determinada em novembro passado.

O plano do ex-garagista é vender uma casa que, segundo ele, custa R$ 400 mil, para ressarcir suas vítimas. Esse imóvel está penhorada por conta de uma outra causa judicial, também ligada a empresa de Siqueira.

Jornal Midiamax