Geral

Acadêmicos protestam contra fechamento do curso de História da UFMS em três municípios

Em manifestações na manhã deste sábado (22), que ocorreram simultaneamente nas cidades de Nova Andradina, Batayporã e Ivinhema, acadêmicos do curso de História da UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul) denunciaram a manobra que a reitoria da UFMS vem fazendo para desativar o curso no campus de Nova Andradina. Com apitos, faixas e […]

Arquivo Publicado em 22/10/2011, às 18h32

None

Em manifestações na manhã deste sábado (22), que ocorreram simultaneamente nas cidades de Nova Andradina, Batayporã e Ivinhema, acadêmicos do curso de História da UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul) denunciaram a manobra que a reitoria da UFMS vem fazendo para desativar o curso no campus de Nova Andradina.


Com apitos, faixas e nariz de palhaço, vários acadêmicos foram para as ruas manifestar e repudiar a iniciativa da reitora em esvaziar o curso. Ela usa como pano de fundo a remoção de professores e até mesmo autoridades do município.


“A reitora está mentindo para o prefeito e para a deputada, quando diz que vai trazer para Nova Andradina o curso de Arquitetura e Engenharia. Ela não está conseguindo nem manter direito o curso de História”, desabafa o acadêmico Samuel Macedo (4ª semestre do curso de História)


Os acadêmicos estão mesmo dispostos a enfrentar a tentativa de minguar o ensino superior em Nova Andradina. Enquanto alguns se manifestavam com faixas no semáforo da Avenida Antonio Joaquim de Moura Andrade, na esquina com a Vearni Castro, outros integrantes da manifestação coletavam assinaturas em prol da permanência do curso.


Durante a manifestação, os manifestantes se comunicavam com estudantes de Batayporã, onde teria ocorrido uma passeata e os acadêmicos residentes naquela cidade coletavam adesões para o abaixo assinado.


De Ivinhema (MS), eles também recebiam informações pelo celular, que o ativo em prol da permanência do curso de História em Nova Andradina, teria sido bastante positivo com muitas adesões ao movimento.


O acadêmico do quarto semestre de História, Michel Gomes, contou à reportagem que a comunidade estudantil está revoltada com a manobra da reitora, pois o curso de História de Nova Andradina recebeu nota 4 do MEC (Ministério da Educação e Cultura), dentro de um conceito que vai de 0 a 5.


O protesto realizado pelos acadêmicos em Nova Andradina movimentou o centro da cidade, envolveu os transeuntes e também recebeu o apoio de um carro de som, que circulou pelas principais ruas da cidade contando à população o que está acontecendo no campus de Nova Andradina.


O curso de História está instalado no Campus de Nova Andradina, município com uma população de pouco mais de 46 mil habitantes. O campus recebeu os cursos de História e Geografia como uma das grandes conquistas para a região na área da educação. Poucos anos depois, o curso de Geografia está praticamente extinto no campus e o de História seriamente ameaçado.

Jornal Midiamax