Geral

Semana: Campanha eleitoral começa e patrimônio de candidatos fica em foco

A semana que se iniciou com o registro de candidatura de 342 candidatos termina com o destaque da revista Veja sobre a ascensão financeira do governador

Arquivo Publicado em 11/07/2010, às 12h00

None

A semana que se iniciou com o registro de candidatura de 342 candidatos termina com o destaque da revista Veja sobre a ascensão financeira do governador

A semana política em Mato Grosso do Sul foi marcada pelo início da campanha eleitoral. Após o registro de candidatura, Puccinelli inclusive foi destaque na imprensa nacional. A revista Veja, noticiou na sexta-feira (9/7) no blog das Eleições 2010 da publicação nacional, a “exorbitante fortuna do candidato à reeleição ao governo do Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB)”. André causou espanto ao declarar, neste ano, um patrimônio de 5,37 milhões de reais.

Comparado com a declaração que Puccinelli apresentou em 1997, quando foi candidato a prefeito de Campo Grande, o valor milionário representa, segundo a Veja, um aumento de 468% em seu patrimônio.

O candidato do PT ao governo de Mato Grosso do Su também teve crescimento no patrimônio que declarou ao TRE para registro da candidatura. Mesmo não chegando perto dos 5,37 milhões declarados por André Puccinelli, a riqueza do petista saltou de R$ 417 mil para R$ 2,3 milhões nos últimos oito anos. “A diferença é que eu tenho como mostrar de onde vem meu dinheiro. Eu ganhei uma indenização de R$ 500 mil de um jornal na justiça, e ainda tenho um milhão e trezentos e cinquenta mil reais que recebi de um empréstimo do FCO para custear meu aviário”, explica Zeca do PT.

Embate no TRE

Após o registro das candidaturas no prédio do Tribunal Regional Eleitoral [TRE]os dois principais candidatos ao Governo de Mato Grosso do Sul iniciaram o embate.

Logo depois do registro da candidatura na última segunda (5/7) André Puccinelli, declarou que irá usar o horário do expediente na Governadoria para fazer campanha. : “Nada me impede que eu faça campanha a qualquer momento. Ao estar trabalhando eu já estou fazendo campanha. Ao eu ir, por exemplo, no bairro falar que eu asfaltei lá, que eu fiz a creche lá, que eu fiz o campo de futebol, que tal?”, ironizou.

Apesar de defender uma campanha “limpa” [sem ataques], o governador, quando questionado sobre o principal adversário Zeca do PT dar “mais trabalho do que o esperado”, ele respondeu que “depende do quanto de dinheiro ele vai ter para gastar”.

Em resposta, a assessoria jurídica do PT prometeu acionar o TRE e a Polícia Federal para que seja investigada a postura do governador.

“Nossa assessoria poderá representar contra ele [Puccinelli] no TRE e Polícia Federal”, disse Zeca do PT, durante uma caminhada no Bairro Dom Antonio Barbosa.


Ecumenismo

Atos ecumênicos marcaram o início da campanha dos dois principais candidatos. Zeca do PT escolheu o Bairro Dom Antonio Barbosa para realizar ao lado da candidata a vice Tatiana do PV e da candidata a suplente ao senado Gilda do PT, um culto ecumênico e também uma passeata com moradores do bairro que fica no entorno do lixão de Campo Grande. Ele prometeu que se eleito irá reabrir o restaurante popular, fechado na gestão do governo atual.

Puccinelli, por sua vez, também fez um culto ecumênico, porém dois dias depois, na sede de seu comitê eleitoral. Durante o ato, ele disse com a voz embargada que queria uma campanha com “amor trabalho e fé”, que é o nome da coligação da qual faz parte.

Já o candidato socialista Ney Braga (Psol) declarou que iria continuar cuidando de sua lanchonete no centro da Capital e fazer campanha nas horas vagas. Hoje, ele fará visitar nos municípios de Ribas do Rio Pardo e Águas Claras.

E de olho na campanha, o TRE divulgou também as regras para as caminhadas, passeatas e carreatas das coligações, com o devido cuidado para que uma coligação não se esbarre na outra durante os trajetos. As comidas e bebidas em reuniões também continuam proibidas assim como os ‘showmícios’ que embalavam as campanhas anteriores.

Agenda

Tanto Zeca quanto Puccinelli, rivais históricos na política sul-mato-grossense, decidiram fazer campanha no sábado. Mas o atual governador faltou no primeiro dia de adesivagem e encontro dos correligionários, que aconteceu ontem na Avenida Afonso Pena.

Segundo a assessoria, ele não pôde comparecer, pois participava de várias reuniões na manhã do sábado.

Zeca do PT, acompanhado de sua vice Tatiana do PV, se reuniu com comerciantes do Bairro Coronel Antonino e hoje visita as Moreninhas.

Assembleia

Apesar de estar com a maioria das cadeiras vazias, já que muitos deputados não vão à sessão, pois estão em ritmo de campanha eleitoral, a AL outra vez foi palco de calorosa discussão entre os deputados da oposição e apoiadores do governo.

O deputado estadual Paulo Duarte questionou um levantamento que indica que o governo fechou 2009 com R$ 1,3 bilhão aplicado no mercado financeiro e, ainda assim, recorreu a um empréstimo de R$ 600 milhões, operação que terá de quitar com juros.

“Ter reservas é natural, mas aplicar em instituições financeiras quase três receitas de ICMS mensais não é normal, essa não é a finalidade do Estado”, criticou Duarte.

Junior Mocchi e Carlos Marun saíram na defesa do governador e A justificativa dos dois parlamentares: que Puccinelli administra os recursos com seriedade e só toca as obras quando tem certeza que o dinheiro está em caixa. [Colaboração: Celso Bejarano, Éser Cáceres]

Jornal Midiamax