Geral

Sem lei que discipline descarte de remédios, água potável aloja componentes químicos

Sugestão do Conselho Regional de Farmácia: é preciso que se crie nas cidades postos para coleta de remédios vencidos; existe um projeto de lei parado na Câmara dos Vereadores de Campo Grande acerca disso

Arquivo Publicado em 23/10/2010, às 19h51

None

Sugestão do Conselho Regional de Farmácia: é preciso que se crie nas cidades postos para coleta de remédios vencidos; existe um projeto de lei parado na Câmara dos Vereadores de Campo Grande acerca disso

Em Mato Grosso do Sul não existem locais adequados para a entrega ou descarte de medicamentos vencidos pela população. Enquanto não existir tal cobrança efetiva, disciplina e consciência, os princípios ativos vão continuar se diluindo no solo e lençóis freáticos.

O presidente do Conselho Regional de Farmácia (CRF), Ronaldo Abrão faz uma revelação preocupante, pois os componentes dos remédios não são captados durante o processo de tratamento de água que abastece as cidades.

Como não existem locais apropriados para descarte destes medicamentos estes se tornam um problema, pois quando jogados no lixo, vão parar nos lixões onde são utilizados por recicladores podendo provocar intoxicações ou contaminam o solo onde são depositados, por outro lado, quando jogados no ralo da pia ou no vaso sanitário fatalmente contaminam o lençol freático ou as águas dos mananciais o que por sua vez contamina os seres vivos que dela se servem ou retornam para os nossos lares após passarem por tratamento que a torna potável, porém sem reter os produtos químicos nela diluídos.

Ronaldo Abrão frisa que a não retirada dos componentes químicos da água não é uma exclusividade de Campo Grande, na verdade, isto é uma situação mundial. Segundo ele, a única maneira de retirá-los seria destilando a água, processo caro e inviável para as concessionárias de água e esgoto.

Uma das sugestões do CRF é a conscientização da população para o risco sanitário e a criação de postos para coleta de remédios vencidos e que o estado se responsabilize pela sua destinação. Já existe na Câmara Municipal um Projeto de Lei Complementar de autoria do vereador Paulo Siufi,

Sessão

No dia 27 de outubro, às 9h, vai acontecer uma sessão itinerante da Câmara Municipal, no auditório do CRF/MS, localizado na Rua Rodolfo José Pinho, n° 66, Jardim São Bento. Durante o evento será discutida a proposta para criação de postos voluntários para coleta de medicamentos vencidos e também será assinado um termo de cooperação entre Câmara e CRF/MS nas questões que envolverem medicamentos e farmacêuticos.

Jornal Midiamax