Geral

Projeto “Somos todos Hermanos” integra fronteira Brasil-Bolívia

Projeto escolar “A imigração boliviana e a introdução de sua cultura em Corumbá, MS: Somos todos Hermanos”, desenvolvido pela escola municipal Fernando de Barros, localizada no bairro Centro América, teve duração de aproximadamente seis meses, onde o principal objetivo foi a união cultural e social da população brasileira, em Corumbá, com a população boliviana

Arquivo Publicado em 23/09/2010, às 14h26

None

Projeto escolar “A imigração boliviana e a introdução de sua cultura em Corumbá, MS: Somos todos Hermanos”, desenvolvido pela escola municipal Fernando de Barros, localizada no bairro Centro América, teve duração de aproximadamente seis meses, onde o principal objetivo foi a união cultural e social da população brasileira, em Corumbá, com a população boliviana

O projeto escolar “A imigração boliviana e a introdução de sua cultura em Corumbá, MS: Somos todos Hermanos”, desenvolvido pela escola municipal Fernando de Barros, localizada no bairro Centro América, teve duração de aproximadamente seis meses, onde o principal objetivo foi a união cultural e social da população brasileira,  em Corumbá, com a população boliviana.


“O projeto surgiu através de reflexões da vivência em sala de aula, pois notamos que muitos alunos possuem traços de origem boliviana, têm descendência, mas havia uma discriminação, havia uma rejeição por parte dos próprios alunos. Visando quebrar esses rótulos de feirante, de bandido, é que decidi propor aos alunos estudarmos e conhecermos um pouco mais dessa cultura, que é tão presente em nosso dia a dia”, explicou a professora responsável pelo projeto, a geógrafa Rosana Zozias de Santana.


A princípio, os trabalhos integraram alunos do 6º ao 9º ano, do turno vespertino, porém, devido às proporções do trabalho, nos últimos meses, as turmas do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) também do vespertino, integraram o trabalho, que na culminância, somou, aproximadamente, a participação de 600 alunos. “Os estudos sobre a cultura e a origem do povo boliviano não ficaram apenas em sala de aula, levamos nossos alunos para o Festival América do Sul, a fim de conhecerem um pouco mais da cultura boliviana; houve uma palestra com o padre João Marques, da Igreja Nossa Senhora de Fátima, que trabalha com os imigrantes; visitamos os festejos da Santa Urkupiña, conhecemos a dança tradicionalmente boliviana dos Caporales e chegamos a visitar o colégio Samuel Loppy Mendonza, localizado na Bolívia”, contou a professora Rosana.


O projeto “Somos todos Hermanos”, está inscrito no concurso Professor por Excelência promovido pela Prefeitura Municipal de Corumbá, onde os educadores da Rede, que realizam projetos, se inscrevem a fim de divulgar e valorizar o trabalho diversificado em sala de aula.


“Os projetos contribuem para constituir o processo de ensino e aprendizagem de forma eficaz, este, em especial, é constituído por experiências e vivências dos próprios alunos. Os projetos são de grande valia e importância, pois permitem a integração de trabalhos interdisciplinares, permitem o intercâmbio de cultura, de aprendizagens. Eles fazem com que os alunos percebam o valor de cada indivíduo no processo cultural, social e político do meio em que vive”, ressaltou a gerente do Sistema de Planejamento Educacional do Município, Ana Cláudia Gonzaga da Silva.


Intercâmbio Cultural


“O único conhecimento que eu tinha da população boliviana era de vê-los nas feiras, nada mais. Fiquei impressionado ao visitar a escola da Bolívia. Os alunos são concentrados, parece que há uma autoridade, não uma autoridade de medo, mas a escola da Bolívia é um lugar onde o respeito impera e as crianças entendem isso, é bem diferente o que vemos aqui no Brasil, onde muitos desrespeitam os colegas e até os próprios professores. Os uniformes são todos iguais e, conversando com as crianças, percebi que elas gostam do que vestem, usam o uniforme com orgulho. A religião também me chamou atenção, pois eles não têm vergonha de dançar, de rezar, de mostrar o que sentem. Já nós, brasileiros, muitas vezes, temos até vergonha de ir às missas, os jovens principalmente. É um povo bem alegre, assim como os brasileiros”, relatou a experiência, o aluno Lucas Gabriel de Aquino, 14 anos, 9º ano.


A culminância do projeto “Somos todos Hermanos” ocorreu na última semana, no Centro Múltiplo Esportivo Nação Guató, e contou com a presença de 80 alunos bolivianos da escola Samuel Loppy Mendonza; do cônsul da Bolívia em Corumbá, Juan Carlos Mérida Romero, e do representante do Centro Boliviano Brasileiro, André Menacho. Ainda houve a participação especial da Banda Municipal Manoel Florêncio, de Corumbá, e apresentações culturais dos alunos do Fernando Barros.


“Estamos muito agradecidos e contentes, pois este estudo é uma forma de homenagear a nossa população. Esta é uma das formas de se promover a integração Brasil/Bolívia, envolvendo as crianças e adolescentes, pois o progresso dos países está acontecendo e eles são o nosso futuro, serão eles quem darão continuidade a todo o trabalho realizado até a presente data pelos nossos países. A prosperidade e a paz não possui fronteiras nem limites, devem ser construídas por todos nós”, concluiu o cônsul da Bolívia em Corumbá, Juan Carlos Mérida Romero.


Na culminância, a diretora da escola municipal Fernando de Barros, Roseli Nery de Andrade Bento, divulgou que, devido aos levantamentos obtidos nesta etapa do projeto, em 2011, ele retornará com uma proporção maior, envolvendo possivelmente todo o corpo docente da escola. “Este é o primeiro projeto de cunho social de grande proporção vivenciado pela escola Fernando de Barros, porém, todos os anos, há um projeto, mas até agora, todos eles foram de pequeno porte. O resultado do projeto ‘Somos todos Hermanos’, vemos refletido na  convivência diária dos alunos”.

Jornal Midiamax