Profissionais de saúde e indígenas já recebem vacina contra nova gripe

Funcionários da área de saúde de São Paulo começaram a receber a vacina contra a nova gripe na manhã desta segunda-feira (8), em evento realizado no Centro de Distribuição e Logística da Secretaria de Estado da Saúde. Segundo a secretaria, até o dia 19 de março serão imunizados 704,7 mil profissionais da área e 4,6 […]
| 08/03/2010
- 20:30
Profissionais de saúde e indígenas já recebem vacina contra nova gripe

Funcionários da área de saúde de São Paulo começaram a receber a vacina contra a nova gripe na manhã desta segunda-feira (8), em evento realizado no Centro de Distribuição e Logística da Secretaria de Estado da Saúde.

Segundo a secretaria, até o dia 19 de março serão imunizados 704,7 mil profissionais da área e 4,6 mil pessoas que vivem em aldeias indígenas. As doses já foram distribuídas para outras cidades do estado.

Na sexta-feira (5), foi confirmada a primeira morte pelo vírus influenza A (H1N1) neste ano no estado. Foi em Santa Bárbara do Oeste, a 135 km da capital paulista. Um homem de 31 anos morreu após ser diagnosticado com a doença. De acordo com o secretário de Estado da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata, foram registrados no estado sete casos da doença este ano. “Estamos investigando a morte. A conduta é a mesma de sempre. Tem que tomar cuidado”, afirmou.

Este ano, Barata espera um número menor de contaminações e mortes. “A gente não espera ter um grande numero de casos de gripe, porque este ano temos a vacina”. Em 2009, foram 10 mil casos da doença no estado e cerca de 500 mortes. De acordo com o secretário, a vacina tem 80% de eficiência comprovada. “Não existe contraindicação”.

Os profissionais de saúde foram escolhidos para iniciar a campanha por estarem mais suscetíveis à contaminação. “Eles podem ser também transmissores. Portanto, se justifica que se comece por eles”, disse o governador José Serra, que não foi vacinado por não fazer parte do primeiro grupo. Ele ressaltou que a campanha contra a nova gripe não exclui a vacinação contra a gripe normal, que será realizada a partir de abril.

Indagado sobre a ausência das crianças acima de dois anos no cronograma de vacinação, Barata explicou que isso ocorre porque elas não tiveram uma grande quantidade de casos no ano passado. “A concentração maior foi nas crianças até dois anos. Elas que transmitem a gripe para seus irmãos em idade escolar”, afirmou.

Cronograma

Nessa fase inicial, deverão ser vacinados médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, recepcionistas, pessoal de limpeza e segurança, motoristas de ambulância, equipes de laboratório e profissionais que atuam em investigação epidemiológica. A vacinação dos profissionais de saúde ocorrerá no próprio local de trabalho deles. Já a imunização da população indígena será feita nas aldeias, em parceria com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

A segunda etapa da vacinação contra a doença, que começa em 22 de março e vai até 2 de abril, incluirá gestantes, crianças a partir de seis meses e menores de dois anos de idade e portadores de doenças crônicas, como obesidade de grau 3, asmáticos graves, diabetes, pessoas imunodeprimidas, cardiopatas e portadores de doenças respiratórias crônicas, dentre outros. As mulheres que engravidarem após 2 de abril poderão receber a vacina até o final da campanha, em 21 de maio.

Na terceira etapa da campanha, que ocorrerá entre os dias 5 e 23 de abril, será vacinada a população paulista de 20 a 29 anos de idade. E de 24 de abril a 7 de maio receberão a vacina contra a nova gripe os idosos com 60 anos ou mais portadores de doenças crônicas. Os demais idosos irão tomar a vacina contra a gripe comum (sazonal). E, finalmente, no período de 10 a 21 de maio, os adultos de 30 a 39 anos deverão ser imunizados.

Últimas notícias