Geral

Poeta lança o livro “Alicerce Douradense”, um marco dos 75 anos de Dourados

O poeta e historiador douradense Carlos Magno Mieres Amarilha, o Magno Mieres, vai lançar no dia 20 de dezembro no átrio da Academia Douradense de Letras o livro “Alicerce Douradense” em homenagem ao município que comemora 75 anos de emancipação política. O livro segundo o escritor Luciano Serafim, do Grupo Literário Arandu, “é um marco […]

Arquivo Publicado em 20/12/2010, às 12h33

None

O poeta e historiador douradense Carlos Magno Mieres Amarilha, o Magno Mieres, vai lançar no dia 20 de dezembro no átrio da Academia Douradense de Letras o livro “Alicerce Douradense” em homenagem ao município que comemora 75 anos de emancipação política.


O livro segundo o escritor Luciano Serafim, do Grupo Literário Arandu, “é um marco atemporal da história de sete décadas e meia de Dourados”. Para Serafim o escritor Magno Mieres é a maior revelação da literatura sul-mato-grossense nos últimos dez anos ao lado do poeta Athayde Nery de Freitas Junior autor de “Tereré com Água Guarani”.


No prefácio o escritor José Pereira Lins que “para o poeta o cotidiano da cidade não é apenas lugares do trabalho, almoço-janta e dormitório; do encontro, do desencontro, do reencontro, do contato com o outro, da roda de tereré, da festa, do clube, do baile, do bar, da feira, do bairro, do asfalto, do buraco, da praça central, da rodoviária, do comércio, da exposição agropecuária, da festa junina, do namoro de esquina.”


Lins prossegue afirmando que em Alicerce Douradense “a cidade é lugar de conflito, de alegria, de decepção, de passagem para uns, de circulação para outros, do “comum” e do “diferente”; para o poeta a cidade é o lugar onde se formula perguntas, é o espaço da ação, do objeto “concreto” de sua poesia”.


O livro de Magno Mieres, segundo Lins, canta historicamente e geograficamente as redondezas do município de Dourados, e nisso, o poeta faz questão de mostrar artisticamente. A poesia-prosa-concreta em Alicerce Douradense, segundo o prefaciante, não apresenta um passado fixo, idêntico, a ser “esgotado” pelo leitor. Sempre há uma novidade, um novo aspecto artístico e interessante em formato de poemas.


“O Alicerce Douradense possibilita o leitor “ver” a estrutura geo-político-cultural-histórico espacial de Dourados. Ler esta obra significa “viajar” na arquitetura atemporal da cidade”, reitera Lins que é membro fundador da Academia Douradense de Letras que abre suas portas para receber o poeta.


O autor


Magno Mieres, mora em Dourados onde coordena projetos de extensão com temáticas relacionadas às identidades culturais sul-mato-grossenses.


Atualmente é professor de História Regional, da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul); de Cultura Organizacional e Temas Locais, na (FETAC) Faculdade de Educação, Tecnologia e Administração de Caarapó.


O autor publica inúmeros artigos científicos em revistas nacionais especializadas, sites, jornais, capítulos de livros e coletâneas; organiza livros de cunho regional. É Mestre em História pela UFGD onde pesquisou sobre os Intelectuais e o poder analisando a história, o divisionismo e identidade em Mato Grosso do Sul.

Jornal Midiamax