Geral

Papai Noel dos Correios faz a festa de crianças de Corumbá

Os carros de entrega dos Correios de Corumbá estão sendo ansiosamente esperados e muito bem recebidos pelo público infantil. Isso porque desde a última semana, os carteiros estão realizando uma nobre missão: entregar os presentes enviados pelo Papai Noel. “Por mais que as crianças saibam que isto é uma campanha e que foram pessoas comuns […]

Arquivo Publicado em 21/12/2010, às 14h25

None

Os carros de entrega dos Correios de Corumbá estão sendo ansiosamente esperados e muito bem recebidos pelo público infantil. Isso porque desde a última semana, os carteiros estão realizando uma nobre missão: entregar os presentes enviados pelo Papai Noel.


“Por mais que as crianças saibam que isto é uma campanha e que foram pessoas comuns que enviaram os presentes, nós carteiros, temos a missão de dar continuidade à imaginação delas e dizer que quem mandou o presente foi o Papai Noel. O olhinho delas brilha e vemos que elas realmente acreditam. Mas, de fato é isso mesmo. É a magia desta época que toca o coração dos adultos em colaborar com as crianças”, disse o carteiro Waldinei de Souza Assis, 38 anos.


Antes de sair para as entregas, os carteiros separam os presentes cuidadosamente, se atentando para os endereços, que podem ser um empecilho na realização dos sonhos de muitas crianças. “Os endereços são um grande problema. Em muitas cartas faltam informações nos endereços, como número, e até mesmo nome de ruas. Nessa hora, o que conta é nossa experiência. Muitas vezes, conhecemos as crianças do dia a dia, da entrega de correspondência normal e assim vamos fazendo o possível e o impossível para que cada presente chegue ao dono. Infelizmente, alguns brinquedos  serão devolvidos, pois não conseguimos encontrar os endereços corretos”, lamentou Waldinei.


Mas, quando o endereço está certinho a alegria é inevitável, como foi o caso do pequeno Marcos Vinícius Alongo da Silva, 08 anos, ao receber a tão esperada bicicleta. O carteiro chegou com o presente por volta das 09 da manhã e Marcos estava dormindo e ao acordar pensou que fosse um sonho.


“Eu tinha pedido uma bicicleta e um sacolão. Meu tio me acordou para receber o presente, pensei que era sonho, puxa, sempre quis uma bicicleta e meus pais nunca tinham dinheiro para comprar. Só fico triste porque o sacolão da minha família não veio e que meus irmãos e primos não receberam. O Papai Noel lembrou de mim este ano”, disse o menino todo sorridente ao receber seu presente.


Taís dos Santos Monteiro, de 09 anos, também foi lembrada pelo Papai Noel. Ela recebeu um kit de pintura, com caderno, lápis de cor, canetinha, tintas e pincéis. “Eu amo desenhar. É a coisa que mais gosto de fazer no mundo. Muitas vezes, minha mãe não tem condições de comprar todos esses materiais. Este é o terceiro ano em que ganho presente do Papai Noel através do Correio. Agradeço por ele ter lembrado de mim  novamente e espero que ele se lembre de meu irmão que também escreveu pedindo seu presente”, disse a menina.


A mãe de Taís, Jocenir Barros dos Santos, 38 anos, agradeceu pelo presente da filha e disse que há anos os filhos escrevem para a campanha. “Meus filhos escrevem para a campanha do Papai Noel dos Correios desde que eram pequenos. No começo, eu escrevia para eles, pois ainda não sabiam escrever. Hoje, que são grandes, eles mesmos escrevem, entregam as cartinhas aos carteiros e ficam na espera. Agradeço às pessoas que colaboram para que os sonhos dos meus filhos se realizem e de muitas crianças também”, agradeceu.


“As entregas dos presentes são realizadas fora do nosso expediente normal e até aos domingos. É difícil deixar a família num dia de folga para trabalhar, porém, quando encontramos pessoas assim, como a senhora que nos agradece, quando vemos a felicidade destas crianças em receberem os presentes, é muito gratificante, vamos entregando e nos emocionando com a situação de cada família. O abraço das crianças é muito bom. A felicidade em vê-las recebendo os presentes e acreditando que é do Papai Noel, é muito bom. Isso significa que ainda há pessoas de bom coração e que as crianças ainda sonham”, concluiu Waldinei.

Jornal Midiamax