Geral

Número de empresas extintas em Mato Grosso do Sul cresceu nos últimos 5 anos

Mais de 6 mil empresas foram constituídas, porém quase 2 mil foram extintas. Já em em 2005, Mato Grosso do Sul teve 6.128 empresas constituídas e apenas 935 extintas.

Arquivo Publicado em 15/12/2010, às 11h20

None

Mais de 6 mil empresas foram constituídas, porém quase 2 mil foram extintas. Já em em 2005, Mato Grosso do Sul teve 6.128 empresas constituídas e apenas 935 extintas.

Prestes a terminar 2010, os números em relação ao comércio de Mato Grosso do Sul são altos. Mais de 6 mil empresas foram constituídas, porém quase 2 mil foram extintas. De janeiro a novembro, foram constituídas 6.850 empresas e regularizadas 14.615 através da nova lei do Empreendedor Individual, mas no mesmo período 1.673 empresas foram extintas.

Há cinco anos, em 2005, Mato Grosso do Sul teve 6.128 empresas constituídas e apenas 935 extintas. Fazendo o comparativo entre os 5 anos, pode-se notar o aumento relativo do número de empresas fechadas, a diferença é de quase 200.

Os números apontam para um ritmo acelerado entre a abertura e fechamento de empresas no Estado. O analista técnico do Sebrae, Alex Taveira explica que a falta de planejamento e controle financeiro são os principais motivos que levam uma empresa a fechar as portas.

Segundo a Junta Comercial de Mato Grosso do Sul (Jucems) no mesmo período de 2010, Campo Grande teve 11.622 empresas constituídas, incluindo os empreendedores individuais e 808 empresas extintas. já Campo Grande teve 2.467 novas empresas e 423 fechadas, segundo a Jucems.

Para a Associação Comercial de Campo Grande o número de empreendedores individuais regularizados em 2010 não influenciou positivamente no aumento de empresas associadas, segundo eles isso se dá devido há falta de consciência dos empreendedores iniciantes em não aceitar ou não saberem da existência da associação para ajudá-los.

Empreendedorismo

Segundo a economista Andréia Ferreira, muitas empresas fecham rapidamente por falta de preparo dos empreendedores. Algumas pessoas abrem negócios em áreas das quais não tem conhecimento e, por falta de experiência, acabam perdendo espaço e fecham. Ela aconselha aos pequenos empresários fazerem um estudo de viabilidade para saber se o negócio a ser aberto tem chances de dar certo.

Em julho deste ano cinco amigos da área de desenvolvimento de software decidiram se unir e abrir uma empresa, quase cinco meses depois o desenvolvedor de sistema Saulo Arruda diz que a empresa deu certo e vai de ‘vento em popa’.

A nova empresa já está totalmente constituída e formalizada e hoje já possui cinco funcionários. Segundo Saulo Arruda, um dos sócios, todos já tinham conhecimentos prévios sobre empreendimento e sozinhos fizeram uma análise financeira e comercial.

Jornal Midiamax