Geral

MP apura se cidade “aumentou” número de afetados por cheia

Um relatório elaborado pelo Ministério Público (MP) de São José da Laje, zona da mata alagoana, aponta uma diferença de 80% no número de desabrigados e desalojados no município em relação aos números da prefeitura. Os dados, que constituem o Avadan (documento de Avaliação de Danos), estariam superestimados. O governo federal enviou R$ 800 mil […]

Arquivo Publicado em 18/09/2010, às 00h10

None

Um relatório elaborado pelo Ministério Público (MP) de São José da Laje, zona da mata alagoana, aponta uma diferença de 80% no número de desabrigados e desalojados no município em relação aos números da prefeitura. Os dados, que constituem o Avadan (documento de Avaliação de Danos), estariam superestimados.


O governo federal enviou R$ 800 mil em caráter emergencial para a reconstrução do município, uma das 18 localidades atingidas pelas cheias do mês de junho. Pelos dados do MP, a cidade tem 1.155 desabrigados e 155 desalojados. Levantamento da prefeitura aponta 703 desabrigados e 4.980 desalojados, uma diferença de 4 mil pessoas. Há diferenças também na quantidade de casas destruídas. Nos documentos da prefeitura constam 250, mas para o MP, 78.


“Com essa redução dos números, os custos das ações serão menores”, afirmou o promotor Jorge Dórea, que também disse que o MP faz um “levantamento sobre as casas destruídas, para sabermos a quantidade exata”.


O promotor solicitou uma cópia dos extratos à prefeitura para saber no que ela gastou R$ 800 mil da verba emergencial federal. Os resultados devem chegar em dez dias.


O coordenador do processo de reconstrução do Estado, Luiz Otávio Gomes, disse que suspendeu as obras na cidade e pediu nova recontagem dos desabrigados, desalojados e casas destruídas.


Por telefone, o prefeito Márcio José Lira disse que o comitê de reconstrução aprovou novas 1.006 casas. “Foi desapropriado um terreno de 56 hectares e aguardo o final do processo de licitação”, afirmou. Sobre a verba federal enviada à cidade, disse que a prefeitura gastou o dinheiro em reconstrução de estradas e atendimento das famílias desabrigadas.


No início deste mês, o governo prorrogou por mais 90 dias os decretos de calamidade pública de 15 cidades do Estado e de emergência de outros quatro municípios. Em junho, as chuvas em Alagoas deixaram mais de 26,6 mil desabrigados e 26 mortos.

Jornal Midiamax